Derrubado veto de Bolsonaro ao uso obrigatório de máscara na pandemia

O Congresso Nacional realizou votação, na última quarta-feira (19), em que ficou decidido por derrubar os vetos que o presidente da República, Jair Bolsonaro, fez em medidas como o uso obrigatório de máscaras; às medidas de combate à Covid-19 em territórios indígenas e quilombolas; às regras para transferência de terras da União para Amapá e Roraima; e ao prazo de 72 horas para autorização da Anvisa nas importações durante a pandemia. 

Quando pensamos em como vai ficar a legislação sobre temas importantes para a sociedade, como em relação ao veto parcial do presidente ao projeto que obriga a população a usar máscaras de proteção enquanto durar o estado de calamidade pública (PL 1.562/2020), o advogado e professor de Direito Constitucional, Max Kolbe, explica que a palavra final sobre essas legislações é do próprio Congresso.  

Presídios entram na lista de vetos de Bolsonaro à lei que obriga uso de máscaras; leis estaduais e municipais continuam valendo

Projeto do Senado permite que empresas migrem para regime tributário que atende atuais perspectivas de lucro

“O presidente da República vetou, ele não concordou parcialmente com aquele projeto de lei aprovado. A própria Constituição fala que quando o presidente veta um PL, o mesmo volta para o Congresso Nacional para apreciação da derrubada ou não, porque a palavra final de quem cria a lei é do próprio Congresso”, detalhou o professor.

O deputado federal, Márcio Jerry (PCdoB/MA), foi crítico a Bolsonaro. Para o parlamentar, a forma como o presidente tratou assuntos de relevância para a população, mostra a insensibilidade do governo federal para as causas de pessoas mais humildes e sensíveis aos efeitos da pandemia do coronavírus.
“É importante ter flexibilidade na ação da Anvisa, assim como é fundamental para a saúde das pessoas o uso da máscara. Do mesmo modo, é importante o veto absolutamente cruel que subtrai até água potável de comunidades indígenas. Então são vetos importantes, neste momento, feito por um resgate do Congresso Nacional”, argumentou o deputado.

Ao final da sessão, os parlamentares mantiveram o veto total (Veto 24/2020) à proposta que, em razão da pandemia, suspendia a inclusão de devedores em cadastros negativos, como Serasa e SPC. Segundo o Executivo, o projeto prejudica o funcionamento do mercado de crédito e a eficiência dos sistemas de registro.
Por conta de um acordo entre os líderes, a análise de três vetos foi adiada. Na próxima reunião do Congresso ficarão os itens que tratam do pacote anticrime; de medidas para estender o auxílio emergencial de R$ 600; e da prorrogação, até o final de 2021, da desoneração da folha de pagamentos de 17 setores da economia.

Leia mais

Espírito Santo é primeiro lugar em transparência dos dados do Coronavírus

O Espírito Santo é o estado mais transparente na divulgação dos dados referentes ao novo Coronavírus...

Escritório Social orienta egressos para acesso ao auxílio emergencial

A equipe da Secretaria da Justiça (Sejus) que atua no atendimento e suporte aos egressos do...

Hospitais universitários federais recebem R$ 103 milhões da Ebserh

A Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) vai liberar R$ 103 milhões para as unidades que formam a rede. O aporte faz parte do...

Leia também

BA: Governo do estado pede apoio ao TRE para que as eleições não sofram impacto da pandemia

A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) pretende produzir uma Nota Técnica e enviar ao Tribunal Regional Eleitoral do estado (TRE-BA) para...

Rio de Janeiro tem 47 municípios com adesão à licitação de concessões para saneamento básico

No estado do Rio de Janeiro, 47 dos 64 municípios atendidos pela Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae) aderiram ao modelo de concessão...

Governo do Acre implementa ICMS Ecológico nos municípios do estado

A partir de 2021, os 22 municípios do Acre vão ser beneficiados economicamente com o ICMS Ecológico, caso tenham áreas naturais protegidas em seu...