Deputado responsabiliza Vale pelo Falecimento Brutal de Camburi e cobra autoridades

Em um discurso inflamado durante a sessão ordinária virtual da tarde desta terça-feira (02/06/2020), o deputado estadual Enivaldo dos Anjos dedicou um minuto de silêncio ao que chamou de “Falecimento brutal, vergonhoso e com altos requintes de violência” da Praia de Camburi.

De acordo com o deputado, enquanto as atenções da sociedade estão voltadas para o problema sanitário da pandemia do Coronavírus, a mineradora Vale tem se aproveitado para seguir poluindo o meio ambiente da Grande Vitória, em especial a principal praia da capital capixaba.

“Gostaria de comunicar esse ‘falecimento’ e pedir um minuto de silêncio pela praia de Camburi, que ganha na sua parte final a destruição causada pela Vale do Rio Doce. Gostaria de comunicar esse crime da Vale contra as pessoas de bem do Espírito Santo, onde todas as pessoas passam e ninguém toma providência. O Espírito Santo é um lugar apropriado para esse time de crime porque ninguém faz nada para combater uma empresa criminosa como é a Vale do Rio Doce”, disparou o deputado, que citou as postagens feitas em suas próprias redes sociais com fotos e vídeos da praia na manhã do dia 02.

Nas imagens é possível ver a areia tomada por uma camada escura e brilhante de minério de ferro com os dizeres ‘VALE’ e ‘SOS’ escritos.

Como se percebe, as críticas de Enivaldo não se restringiram à mineradora que, para o parlamentar, só é capaz de poluir o meio ambiente devido à negligência das autoridades federais, estaduais e municipais de fiscalização.

Com uma fala onde lembrou da falta de punição aos diferentes crimes cometidos no caso do rompimento de barreiras de contenção de rejeitos, o deputado chega a lembrar do trabalho realizado pela CPI da Sonegação de Tributos, que atua também no trabalho de cobrar grandes empresas.

Este trabalho, de acordo com o próprio deputado, por vezes seria desacelerado por auxílios externos recebidos por empresas grandes, em especial a Vale: “A Assembleia se organiza em CPIs, avança e depois recua. Lógico que a gente sabe que os recuos são porque essas empresas acionam deputados federais, senadores para frear as investigações sempre com a desculpa de geração de empregos e receita.

A verdade é que matam milhares de pessoas todo ano, criam uma situação precária de emprego. Por qualquer situação ameaçam os funcionários e a gente não sabe mais nem se ela (Vale) gera mais imposto porque essa caixa preta que a Vale tem é muito aquém do que a gente imagina do que pode gerar imposto”.

O discurso de Enivaldo seguiu em tom de cobrança aos próprios colegas de parlamento e também a outros Poderes, para que sejam menos tolerantes com a falta de responsabilidade praticada pela empresa.

“Não tem nenhum prefeito de Vitória ou da Serra que encara o problema porque logo que tem uma reunião com a Vale e a Arcelor estendem um tapete vermelho para os diretores como se fossem grandes empresários importantes.

Esse tipo de indústria é o que tem de mais porco no mundo com relação a minério. Isso que eles têm aqui não é utilizado em lugar nenhum mais do mundo. Ela (Vale) mente permanentemente sobre seus materiais, que são equipamentos ultrapassados. Onde está o investimento da Vale? Quem daqui foi a alguma inauguração de investimento da Vale nos últimos vinte anos?

Essas empresas contam com a omissão do poder Legislativo, do Poder Judiciário… Você nunca consegue uma liminar na Justiça capixaba contra a Vale. A verdade é que a influência que esse pessoal exerce é maior do que a própria lógica porque as pessoas morrem mas ajudam a vale. Elas bebem e comem esse pó preto a semana inteira, mas arrumam laudo para beneficiar a Vale”, discursou o deputado.

Enivaldo historicamente tem lutado pela melhoria das condições ambientais da Grande Vitória e que abraçou causas tidas como impossíveis como a redução da emissão de pó preto pela Vale no ar da capital e a assistência das vítimas do crime ambiental de Brumadinho e Mariana.

Recentemente, o deputado foi destaque no noticiário nacional por ter solicitado a prisão do então presidente da Fundação Renova, Roberto Waack, durante sessão da CPI da Sonegação de Tributos em que presidia. Poucas semanas depois, Waack deixou o cargo que ocupava desde sua fundação, em 2016.

Ao concluir sua fala na plenária virtual desta terça-feira, Enivaldo reforçou o papel de fiscalização das entidades de controle do Estado e fez um paralelo nada ortodoxo entre as mortes causadas pela Vale e o Corona Vírus.

“Não adianta fazer média porque a média que é feita é transformada em cadáveres. Todo ano a Vale mata muito mais do que o Corona já matou até agora aqui no Espírito Santo e isso é fruto de toda essa permissibilidade que é dada a eles por aqui, sendo que nem pagar imposto direito eles pagam”, encerrou.

 

 

 

Leia mais

Enem 2020: Deficientes visuais terão auxílio de software de leitura de tela para realizar a prova

Software dá mais autonomia na realização do exame por pessoas com deficiência visual – Foto: ...

Laboratório BIOLAB segue de portas abertas atendendo a população aguadocense

Diante da Pandemia do novo coronavírus que se espalhou pelo mundo inteiro, muitos comércios fecharam suas...

Escolas compartilham experiências das APNPs sem mediação tecnológica

Em continuidade aos webinários sobre as Atividades Pedagógicas Não Presenciais (APNPs), nesta sexta-feira (24), foi realizada...

Comércio de 19 municípios capixabas volta à normalidade

A nova matriz de risco do Governo do...

Leia também

Ministério do Desenvolvimento Regional abre consulta para elaboração Carta Brasileira sobre Cidades Inteligentes

Até 7 de novembro, o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) abre uma consulta pública para a elaboração dos objetivos estratégicos e das recomendações que...

LRF proíbe gestor de assumir despesas sem caixa suficiente

Diante da crise causada pela pandemia da Covid-19, o Congresso Nacional se viu obrigado a criar um socorro a estados e municípios para minimizar...

Usuários frequentes do SUS avaliam melhor os serviços de Atenção Primária à Saúde

Quem utiliza o Sistema Único de Saúde (SUS) com maior frequência avalia mais positivamente a qualidade dos serviços prestados na área de Atenção Primária...

Demora para escolher presidente da CMO atrasa votação de R$ 27,2 bilhões em créditos adicionais

A demora na Câmara dos Deputados para escolher o novo presidente da Comissão Mista de Orçamento (CMO) pode causar um certo impacto na economia...