Deputado quer proibir algemas e “cofre” da viatura para funcionários públicos em caso de flagrante delito

Proposta Bahiense proíbe o transporte no “cofre” da viatura e o uso de algemas para quem integra os quadros de pessoal da área

Por Gleyson Tete

Foi protocolado na Assembleia Legislativa (Ales) o Projeto de Lei Complementar (PLC) 30/2020, que estabelece regras para a condução de servidor público da área de segurança pública em casos de prisão em flagrante delito. A iniciativa é do deputado Delegado Danilo Bahiense (PSL).

A proposta contempla os membros da Polícia Militar (PMES), do Corpo de Bombeiros Militar (CBMES) e da Polícia Civil (PCES); os agentes penitenciários e de escolta e vigilância penitenciária da Secretaria de Estado da Justiça (Sejus); os agentes socioeducativos do Instituto de Atendimento Socioeducativo do Espírito Santo (Iases) e os integrantes das Guardas Municipais.

De acordo com a proposição, tais servidores deverão ser transportados dentro da parte interna dos veículos, sendo proibida o uso do chamado “cofre” das viaturas, local onde são colocados os presos. A exceção fica para as situações em que o servidor apresentar resistência; nesses casos, os condutores deverão justificar a medida quando da apresentação do conduzido à autoridade competente.

Segundo Bahiense, com o projeto busca-se “dar o devido respeito à dignidade da pessoa humana. Isso porque, em princípio, não se está diante de um criminoso contumaz, mas de pessoa que representa o Estado ou município e que, eventualmente, cometeu algum deslize, que pode ser, muitas vezes, uma simples discussão”, argumenta.

Sem algemas

O PLC também proíbe o uso de algemas nesses servidores, exceto nos casos de resistência, de receio de fuga ou perigo à integridade física própria ou alheia por parte do conduzido ou de terceiros, conforme a Súmula Vinculante 11 do Supremo Tribunal Federal (STF).

Na justificativa da matéria, o parlamentar cita fato ocorrido recentemente em Domingos Martins, quando um agente penitenciário foi algemado e colocado no cofre de uma viatura por policiais militares.

O projeto visa dar tratamento humanizado e condigno às diversas categorias que atuam na segurança pública para que não ocorram situações aviltantes e vexatórias àqueles que atuam diariamente na defesa da sociedade capixaba”, ressalta.

Quem descumprir as determinações previstas poderá ser enquadrado na Lei Federal 13.869/2019 (Lei de Abuso de Autoridade), sem prejuízo de responder administrativamente por seus atos. O Estado ou o município também poderá acarcar com a responsabilidade civil de seu agente.

Se a prisão for realizada por decisão judicial, o magistrado terá de oficiar o superior hierárquico imediato do conduzido, que deve indicar pessoal do quadro do respectivo órgão para acompanhar a detenção. Não se aplicam a tal medida os episódios de prisão decorrentes de sentença penal condenatória.

Em caso de aprovação, a norma passará a valer na data de sua publicação em diário oficial.

Tramitação

A matéria foi lida no Expediente da sessão ordinária virtual do último dia 6 de julho e deve passar pelas comissões de Justiça, Cidadania, Segurança e Finanças, antes de ser votada pelo Plenário da Casa.

Leia mais

Mais da metade das pessoas de 25 anos ou mais não completaram o ensino médio

Apesar da proporção de pessoas de 25 anos ou mais com ensino médio completo ter crescido no país, passando de 45,0% em 2016 para...

Terminais do Transcol recebem reforço das medidas de higiene na prevenção do Covid-19

A partir da próxima semana, os nove terminais de integração do Sistema Transcol serão desinfectados diariamente....

Outdoor que defendia cloroquina contra a Covid-19 é retirado em Vitória

O anúncio trazia a foto de uma caixa de hidroxicloroquina e do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido). Segundo a prefeitura, mensagem feria...

Deputado cobra suspensão de pedágios em ponte e rodovias

O deputado estadual Enivaldo dos Anjos, líder do...

Leia também