Deputado federal Felipe Rigoni destaca atuação na Câmara e emendas para Nova Venécia

» O deputado federal, Felipe Rigoni, e o vereador veneciano, Pedro Gonçalves

O deputado federal, Felipe Rigoni (PSB), esteve nesta quarta-feira (27), em Nova Venécia, a convite do vereador, Pedro Gonçalves (Podemos).

Durante a visita, Rigoni passou pela Câmara de Vereadores, onde se encontrou com alguns parlamentares e se reuniu com o presidente da Casa, Delei da Borracharia, e com o vice-prefeito de Nova Venécia, Paulo Roberto. Ele também esteve na sede da Rede Notícia, onde trouxe grandes notícias para o município.

“Para Nova Venécia, tivemos três grandes projetos: em 2020, deixei R$ 1 milhão para o custeio da Saúde durante a pandemia, usados na aquisição de medicamentos, equipamentos e etc. Já no meu Edital de Emendas, o município foi contemplado com dois projetos que meu deixou muito feliz: um para o Cras, no valor de R$ 482,1 mil, para a aquisição de uma van com o objetivo de promover atendimento móvel; e outro para a Apae, no valor de R$ 129,9 mil, para trabalhar a fisioterapia das crianças. Fiquei muito”, falou.

Segundo Felipe, com suas emendas impositivas e outras extras, em dois anos de mandato foram conseguidos R$ 67 milhões para todo o Espírito Santos. “Já estão sendo aplicados e desenvolvidos ao redor do nosso Estado”, afirmou.

Rigoni ainda frisou que suas emendas parlamentares são feitas através de Edital. “Abrimos o Edital, o Espírito Santo inteiro pode propor projetos, eles passam por um conselho técnico que o mandato tem, que define os finalistas, que vão para uma votação popular. Então, quem decide, no fim das contas, quais os projetos contemplados é a população. O mérito, muito mais do que meu, é da população de Nova Venécia, que se engajou, baixou o aplicativo e votou nos projetos do Cras e da Apae”.

Atuação na Câmara Federal
Felipe Rigoni foi eleito deputado federal nas eleições de 2018 com 84.405 votos e se tornou o primeiro parlamentar deficiente visual da história da Câmara dos Deputados, em Brasília (DF).

“Foi um furacão de aprendizado quando começamos o trabalho. Eu estava com 27 anos, minha equipe era toda nova, sem experiência na Câmara, e foi por escolha minha, mas conseguimos, de forma bem rápida, trazer muita relevância para o nosso trabalho e, naturalmente, bastante resultado. Hoje, eu já tenho mais de 500 propostas legislativas feitas por mim, entre projetos de lei, emendas a projetos de lei, propostas de emendas à Constituição e uma delas já foi aprovada e sancionada pelo Presidente da República, que altera a Lei Maria da Penha para facilitar um pouco mais na apreensão de agressores”.

Rigoni faz parte de três comissões na Câmara Federal: a de Finanças, a de Ciências e Tecnologia e a de Educação, e, por lá, já foi relator de mais de 30 propostas, entre elas, a do novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), que distribui mais de R$ 180 bilhões aos municípios brasileiros, e da Lei Geral de Governo Digital, que permite dar regras e prazos para como e quando o Governo Federal vai ter que se tornar completamente digital.

Eleição da Câmara
A eleição que definirá o sucessor de Rodrigo Maia (DEM-RJ), na presidência da Câmara dos Deputados, está marcada para a próxima terça-feira, 02 de fevereiro, com dois nomes despontando mais: Arthur Lira (Progressistas), e Baleia Rossi (MDB).

“Ficou muito claro uma tensão entre essas duas candidaturas. Hoje, por tudo que eu converso com outros parlamentares e estou entendendo, está meio empatado. Acho que vai ter segundo turno e não tenho projeção de quem vai ganhar, nesse momento. Para mim, o que me parece mais importante nesse momento e que os dois se mostram muito comprometidos são com as grandes reformas. Precisamos fazer a Reforma Tributária, a Reforma Administrativa e a Reforma da PEC Emergencial, que é dos gastos obrigatórios. Fazendo isso, colocamos a trajetória fiscal do Brasil nos eixos e a economia começa a andar, em especial, a Tributária. Aí o País vai voar, com certeza”.

Governo Casagrande e novos prefeitos
“O Casagrande, naturalmente, é um parceiro, um amigo que eu tenho. Eu acho que está fazendo um governo muito bom. Tivemos algumas divergências, mas na gestão da pandemia, na transparência de gastos e na eficiência da máquina, está indo muito bem e entregando resultados para a população. Está fazendo jus aos votos que teve. Com os prefeitos, ainda estou tentando ligar e falar com todos. Infelizmente, não estive presencialmente com o André, mas estive com o vice, Paulo Roberto, e a ideia, de fato, é ser parceiro, abrindo portas em ministérios e conseguindo especialistas para ajudar nas atividades da prefeitura, ajudando o prefeito a ser eficiente, como o André quer e eu já sei disso. Ele é um cara que me parece que vai fazer uma excelente gestão”.

Fonte: Jhon Martins / redenoticiaes

Leia mais

Leia também