Cuba convoca diplomata estadunidense para expressar protesto por acusações sobre direitos humanos


Nesta segunda-feira (5), o Diretor-Geral responsável pelos Estados Unidos no Ministério das Relações Exteriores de Cuba, Carlos Fernández de Cossío, convocou o Encarregado de Negócios dos Estados Unidos, Timothy Zúñiga-Brown, a quem transmitiu uma opinião contrária às alegações enganosas e ações politizadas que o relatório do Departamento de Estado de 2020 sobre Direitos Humanos fez sobre Cuba.

Fernández de Cossío destacou ao diplomata que o governo dos Estados Unidos aproveita de forma oportunista um tema tão delicado como os direitos humanos para sua política de agressão contra países não subordinados ao governo dos Estados Unidos e que defendem o direito soberano de seus povos à autodeterminação.

Ele enfatizou que o referido relatório é arbitrário e unilateral, e se caracteriza por alegações e acusações falsas. A respeito de Cuba, repete as calúnias que grupos políticos dos Estados Unidos, com posições extremas contra Cuba, formulam há anos como pretextos para a promoção de ações hostis e a imposição de medidas econômicas coercitivas destinadas a prejudicar o padrão de vida dos A população cubana e puni-la por seu apoio ao sistema político, econômico e social que o país escolheu livre e soberanamente.

O Diretor-Geral afirmou que as violações flagrantes e sistemáticas dos direitos humanos nos Estados Unidos e pelo governo desse país são conhecidas e documentadas. Eles dizem respeito ao racismo, xenofobia, brutalidade policial, tortura de prisioneiros, encarceramento prolongado, uso de prisões secretas, anti-semitismo, macarthismo e outras formas de intolerância religiosa e ideológica. Somam-se a isso as execuções extrajudiciais em várias partes do mundo e as detenções arbitrárias e prolongadas de pessoas inocentes.

Destacou que Cuba goza de prestígio internacional no campo dos direitos humanos, pelos resultados alcançados na promoção e proteção dos mesmos; por sua tradição de cooperação com os mecanismos das Nações Unidas que operam de forma universal e não discriminatória; e pelo apoio solidário do país aos esforços de outras nações em desenvolvimento para proteger os direitos de seus povos.

Cuba foi recentemente eleita membro do Conselho de Direitos Humanos para o período de 2021-2023 e faz parte de 44 dos 61 instrumentos internacionais de direitos humanos. Fernández de Cossío instou o Governo dos Estados Unidos a cessar sua campanha de descrédito contra Cuba em matéria de direitos humanos e a pôr fim a este e a outros exercícios unilaterais e intervencionistas sobre o tema, destaca nota da Chancelaria cubana.

(Foto: Sputnik)

Leia mais

Leia também