Criança espancada e estuprada em Ecoporanga está sedada em UTI e suspeito ainda está foragido

 

A menina de 6 anos que foi espancada e estuprada pelo padrasto na cidade de Ecoporanga, ao Norte do Espírito Santo, segue sedada em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Infantil em Vitória.  As informações apuraram que o quadro clínico da criança é considerado grave. A mãe, foi presa por omissão, já o padrasto ainda se encontra foragido, os trabalhos das polícias Civil e Militar estão sendo incessantes para a captura do suspeito.

Segundo a polícia, a menina deu entrada na tarde da última sexta-feira (14), às 02:40min, no Hospital Municipal Fumatre em Ecoporanga. A mãe da criança relatou que ela teria caído de uma bicicleta. Mas o quadro da vítima era muito grave e, ela precisou ser transferida para o Hospital Estadual Alceu Melgaço Filho, na cidade vizinha, Barra de São Francisco.

A equipe médica do hospital de Barra de São Francisco acionou a Polícia Civil, porque perceberam que as graves lesões da garota eram incompatíveis com uma queda de bicicleta como havia relatado a mãe. A avaliação dos médicos que atenderam a vítima apontavam que as lesões eram semelhantes à de um espancamento. Os profissionais também avaliaram que a menina não tinha mais a virgindade, o que levantou suspeita contundente de que além de espancada, a garota era abusada sexualmente.

A mãe da criança, que acompanhava a menina no hospital foi ouvida ali mesmo pelo delegado. Segundo o delegado que acompanha o caso, a mãe da garota entrou em contradição ao relatar o que aconteceu. Mas ela contou para a polícia que na quinta-feira (13) à tarde, ela entrou para o banho e nesse intervalo, o padrasto teria pedido a menina para pegar uma gaiola no quintal da casa. A garota teria deixado um pássaro fugir. O padrasto teria se irritado com a situação e começou a bater na menina. O criminoso a agrediu tanto, a ponto da menina desmaiar.

Diante disso, a mãe da vítima a levou para o hospital onde além de se constatar o espancamento violento, também foi descoberto a violência sexual. Por essa razão, a mãe relatou para a polícia que a menina vinha sendo violentada já há algum tempo e, foi nessas circunstâncias que o delegado pediu a prisão preventiva (por tempo indeterminado) da mãe garota. Ela foi presa ainda no hospital e o padrasto continua foragido.

O foragido, de 43 anos, tem mais de trinta passagens pela polícia, incluindo, agressão aos pais.

O nome dele não foi divulgado pela polícia para preservar a imagem da criança.

 


Leia mais

Leia também