Cresce o número de apreensões de drogas em um ano

As ações do Programa Nacional de Segurança nas Fronteiras e Divisas, o Vigia, resultaram em aumento de 111% na apreensão de drogas quando comparado o período que vai de junho de 2020 a junho deste ano com o anterior. Foram 673 toneladas de drogas, sendo a principal a maconha. O programa é do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

O balanço de resultados do Vigia foi apresentado nesta terça-feira (22) na cerimônia de abertura da 23ª Semana Nacional de Políticas sobre Drogas, que terá uma agenda de eventos e debates relacionados à prevenção, ao tratamento e ao combate às drogas.

As ações do Vigia também resultaram na prisão de 270 embarcações, 3.220 veículos e de 6.012 pessoas em flagrante. A estimativa é de que foi evitado um prejuízo de R$ 250 milhões aos cofres públicos. E um prejuízo aos criminosos de mais de R$ 2 bilhões no período. Presente em 15 estados, o Vigia é uma ação de combate ao crime organizado e à repressão aos crimes transnacionais em todas as regiões de fronteira e divisas do país.

Atuação Integrada

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, destacou a importância da atuação integrada entre as polícias para o trabalho de repressão ao crime e combate às drogas no país.

“Acreditamos que não há outro caminho para a repressão ao crime no país que não seja as polícias trabalharem integradas, cada uma respeitando sua atribuição, mas extremamente integradas nas áreas de inteligência, de operação, para que a coisas realmente aconteçam no país”, afirmou o ministro.

Ações da Polícia Federal

Mais de R$ 1,3 bilhão em recursos do crime organizado foram sequestrados e apreendidos pela Polícia Federal entre junho de 2020 e junho de 2021, o que totaliza 36% a mais que os valores de bens apreendidos nos últimos oito anos.

O avanço, de acordo com a Polícia Federal, se deve a um novo modelo de enfrentamento ao tráfico de drogas e de armas e dos crimes contra o patrimônio e contra organizações criminosas.

Esse modelo é baseado em três pilares que são: a desarticulação das organizações criminosas por meio de investigações de lavagem de dinheiro, a prisão das lideranças e a cooperação internacional.

Entre o segundo semestre do ano passado e o primeiro deste ano, foram deflagradas pela Polícia Federal 1.741 operações. Apenas na Operação Enterprise, de combate à lavagem de dinheiro do tráfico de drogas e de apreensão de cocaína, deflagrada em novembro de 2020, foram apreendidos R$ 498 milhões em bens e valores.

Monitoramento das estradas

No monitoramento de 72 mil quilômetros de rodovias federais e esforço no combate ao tráfico de drogas, entre os meses de junho de 2020 e junho de 2021, a Polícia Rodoviária Federal fiscalizou 10,1 milhões de veículos, 8,9 milhões de pessoas e fez mais de 2 mil operações.

Foram apreendidas 633 toneladas de maconha, 31 toneladas de cocaína, entre outras drogas. Além de R$ 49 milhões em moeda nacional e estrangeira.

Recursos para a Segurança Pública

Durante a cerimônia, foi assinada uma portaria interministerial para desburocratizar e agilizar o processo de venda de imóveis perdidos em favor da União decorrentes da prática de crimes.

De acordo com a Secretaria Nacional de Política sobre Drogas (Senad), os leilões de bens em geral oriundos do tráfico são transferidos para a aplicação em políticas públicas nos estados. São bens como carros, joias e bebidas, por exemplo, que também contribuem com a descapitalização das organizações criminosas.

Cresce o número de apreensões de drogas em um ano

A estimativa é de que foi causado um prejuízo aos criminosos de mais de R$ 2 bilhões no período Foto: Ministério da Justiça e Segurança Pública