Covid-19: Menor burocracia poderia ter agilizado início dos testes da vacina no Brasil, defendem especialistas

Uma melhor regulamentação das pesquisas clínicas em humanos no Brasil poderia ter tornado mais rápida a pesquisa de vacinas e medicamentos contra a Covid-19. É o que avaliam especialistas e parlamentares que defendem a aprovação do Projeto de Lei 7082/2017, o novo marco legal para pesquisas clínicas em seres humanos.

Atualmente, para que um laboratório consiga permissão para testar um medicamento ou tratamento em seres humanos, uma etapa essencial para que o procedimento seja liberado para aplicação, é preciso conseguir uma série de permissões. Antes da solicitação ser analisada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o pedido deve passar por um dos 843 Comitês de Ética em Pesquisa (CEPs) que existem no país. Em vários casos, precisam também passar pela análise da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep).

Maioria dos prefeitos médicos teve bom desempenho contra Covid-19

Começam os testes da vacina contra o novo coronavírus no Brasil

Foi o que aconteceu durante as pesquisas sobre medicamentos e vacinas contra a Covid-19, onde o Conep centralizou a decisão de liberar ou não os testes clínicos. “Há mais 700 CEPs espalhados pelo país, todos eles credenciados pela própria CONEP. São mais de 20 anos desde a criação do sistema CEP/CONEP, tempo suficiente para que todos fossem equipados, capacitados e adequadamente fiscalizados. Teriam hoje plena capacidade para avaliar rapidamente quaisquer protocolos de pesquisa, incluindo os da Covid-19”, avalia a Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica (SBMF) em manifesto.

O projeto de lei

O objetivo do PL 7082/2017 é eliminar etapas desse processo, por meio da criação do Sistema Nacional de Ética em Pesquisa Clínica com Seres Humanos. Assim, os Comitês de Ética em Pesquisa ganhariam autonomia e o Conep seguiria apenas com a função de definir normas para o setor. 

Ana Elisa Miller, diretora executiva da Associação Brasileira das Organizações Representativas de Pesquisa Clínica (Abracro), destaca que o projeto de lei colocaria o Brasil em condições mais vantajosas no mercado internacional.

“O PL traz uma segurança jurídica e uma previsibilidade que é muito importante. Ele vai trazer uma vantagem competitiva com relação a outros países. Esse PL traz uma harmonização de sistemas com normas e regulamentos internacionais” defende Ana Elisa.

De acordo com a Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), em situações normais, a liberação para pesquisas clínicas em humanos no Brasil, contando avaliação ética e sanitária, demora, em média, oito meses. Em alguns casos, pode ser de mais de um ano e, se houver algum questionamento nos dados, o atraso é ainda maior. “A cada questionamento que recebemos implica em mais 30, 60 ou 90 dias para receber uma nova aprovação”, explica a diretora da Abracro. 

De acordo com levantamento da Interfarma, os prazos para liberação de pesquisas em humanos no exterior são menores: nos EUA é de 45 dias, na Europa, dois meses, e na Argentina e no México varia entre 30 e 90 dias.

Excesso de regulamentação

O projeto de lei já foi aprovado na Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados em junho do ano passado. Desde então, espera análise da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). O deputado Luiz Antônio Teixeira Júnior (PP-RJ), que é médico e defende a aprovação do PL, ressalta que a legislação brasileira atual é excessivamente burocrática.

“No mundo inteiro você tem uma instância técnica e uma instância ética. No Brasil você tem duas instâncias técnicas e duas éticas. Acho que é um excesso de regulação, um preciosismo, e principalmente um atraso para o desenvolvimento da pesquisa no nosso país”, defende Teixeira Júnior.

Segundo dados do Instituto IQVIA de Ciência de Dados Humanos, apesar de o Brasil ser a nona maior economia do mundo, o país ocupa a 24ª colocação no ranking mundial de pesquisa clínica, com participação em apenas 2,1% dos estudos. Os dados foram compilados pela Interfarma.

Foto: Itamar Crispim/Fiocruz

Leia mais

Espírito Santo chega a 3.129 mortes e 98.540 curados com 110.025 casos de Coronavírus

O Espírito Santo registrou, até este sábado (29), 3.129 mortes por Covid-19. O número de casos confirmados chegou a 110.025. O índice de letalidade...

Idoso suspeito de pedofilia enviava vídeos pornográficos para criança em Mantenópolis

A Polícia Civil cumpriu um mandado de busca e apreensão na casa de um aposentado de 63 anos, em Mantenópolis, no Noroeste do Estado....

Após fim de semana, Nova Venécia registra 18 novos casos de coronavírus

A Secretaria Municipal de Saúde de Nova Venécia, por meio da Vigilância em Saúde, confirmou 18 novos casos de coronavírus (Covid-19), nesta segunda-feira (14)....

Brasil registra 119.504 mortes por Covid-19

O Ministério da Saúde divulgou os números relativos à pandemia da Covid-19 no Brasil. O país registrou 119.504 mortes por causa do coronavírus, o...

Leia também

Sobrinho de Pablo Escobar encontra US$ 18 milhões em parede de apartamento

Cinco anos depois de se mudar para um apartamento em Medellín (Colômbia) deixado por seu tio, o narcotraficante Pablo Escobar, Nicolás Escobar achou milhões de...

Norte do ES: criança de 6 anos morre depois de ser espancada

Uma criança de 6 anos morreu, nesta sexta-feira (25), depois de ser espancada. O menino estava internado em coma na Unidade de Terapia Intensiva...

Espírito Santo segue com quatro cidades aptas a ter segundo turno nas eleições de 2020

  O Espírito Santo tem quatro cidades com mais de 200 mil eleitores, de acordo com os dados divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para...

ES: carro é roubado e bandidos ligam para o dono pedindo dinheiro para devolver veículo

  Bandidos roubaram o carro de um aposentado nesta quinta-feira (24) e depois ligaram para o celular dele fazendo ameaças e pedindo dinheiro para devolver...