Costureiras indígenas produzem máscaras de proteção contra a Covid-19

Compartilhe

Costureiras indígenas produzem máscaras de proteção contra a Covid-19

Produção das costureiras da etnia Tuxá, na Bahia.
– Foto:
Divulgação/Funai

Costureiras indígenas das etnias Pankará (PE), Tuxá (BA) e Tabajara (PB) estão produzindo máscaras de proteção ao contágio do novo coronavírus nas aldeias destes três povos. As Coordenações Regionais da Fundação Nacional do Índio (Funai) Nordeste I, Baixo São Francisco e João Pessoa levam até as indígenas a matéria-prima para confecção dos itens. Essa iniciativa faz parte de uma estratégia integrada de prevenção em saúde e etnodesenvolvimento. 

Professores da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e equipe de uma escola da rede pública de Alagoas também colaboraram com a doação de parte da matéria-prima às costureiras indígenas alagoanas. As máscaras são distribuídas entre as aldeias e também comercializadas para geração de renda.

Conforme orientações das equipes de saúde, além de adotar medidas preventivas, os indígenas devem permanecer em isolamento social nas aldeias para evitar o contágio com a Covid-19.

Além de doar a matéria-prima às costureiras, a Coordenação Regional Nordeste I realizou a compra de 1.500 máscaras de tecido produzidas pela Associação de Mulheres Artesãs Kapinawá. O coordenador-geral de Etnodesenvolvimento da Funai, Juan Negret Scalia, relatou que a produção é distribuída para o povo Kapinawá e outros grupos indígenas. “Desta forma, a ação visa fortalecer a renda das famílias indígenas neste momento de vulnerabilidade e disseminar o uso das máscaras como importante mecanismo de prevenção ao coronavírus, conforme orientações dos órgãos de saúde”, disse Juan.

Servidores da Coordenação Regional Nordeste I, com sede em Maceió, orientaram as indígenas sobre os critérios da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a confecção das máscaras caseiras. Para a coordenadora regional, Waldira Maria de Barros, a produção dos itens de proteção pelas indígenas reflete no fortalecimento da coletividade diante da pandemia. “Essa atividade é uma forma de quarentena em que costureiras indígenas reforçam os laços comunitárias que unem as aldeias nesse momento. Essa solidariedade é fundamental na superação da crise”, afirma a coordenadora. 

 

Leia também

Carro é recuperado após ser roubado de residência no interior de Boa Esperança

Uma residência foi assaltada na tarde desta quarta-feira, dia 10, no Córrego da Garrucha, zona rural de Boa...

Homens representam 95% dos casos de varíola dos macacos no Brasil, diz Ministério da Saúde

O Ministério da Saúde atualizou nesta segunda-feira (15) a situação epidemiológica da varíola dos macacos no Brasil. Ao...

Igreja diz que pai de padre teve 52% de queimadura no corpo

Continua grave o estado de saúde de José de Souza Vieira, de 76 anos, que teve cerca de...

INDICADORES: boi gordo fica mais caro nesta quarta-feira (17)

A cotação da arroba do boi gordo começou a quarta-feira (17) com alta de 0,22% e o produto...

ARTRITE REUMATÓIDE: sintomas, causas e tratamentos

Você tem ou conhece alguém que tem Artite reumatóide? Já ouviu falar de Reumatismo? Nesse vídeo a Dra. Karina...

DOR NO PUNHO: O que pode ser?

Você conhece alguém que teve dor no punho também conhecido como “abriu o pulso”? O que pode causar...

Sonhava em ser PM: quem era o motorista de app morto em ataque no Espírito Santo

  window.PLAYER_AB_ENV = "prod" O motorista de aplicativo Dyonathan Boni Choa, de 24 anos, que morreu após ser...

Foragidos da Bahia são presos pela PM em São Gabriel da Palha

  Dois jovens com mandados de prisão em aberto, foram detidos pela PM na manhã da última sexta-feira (12),...