Corpo de trabalhador que desapareceu em naufrágio é encontrado no Espírito Santo

Embarcação afundou em Guarapari e o corpo de Eric Barcelos Rangel, de 56 anos, foi encontrado por um pescador em Aracruz.

Eric Barcelos Rangel, de 56 anos, desapareceu no mar

Eric Barcelos Rangel, de 56 anos, desapareceu no mar

O corpo de Eric Barcelos Rangel, que estava desparecido desde o dia 1º de novembro, quando a embarcação na qual ele estava afundou no mar em Guarapari, no Espírito Santo, foi encontrado.

Segundo parentes do condutor de máquinas de 56 anos, Eric foi localizado por um pescador na Praia de Comboios, em Aracruz, no Norte do Espírito Santo, na última segunda-feira (23). O reconhecimento do corpo foi possível em função de exames da arcada dentária do trabalhador.

Na manhã desta quinta (26), a mulher de Eric esteve no Departamento Médico Legal (DML), em Vitória. Emocionada, Rosângela Maria Rosa Barcelos Rangel falou sobre a dor da perda do companheiro, que deixou quatro filhos e um neto de cinco anos.

“Graças a Deus o encontramos, mas eu ainda tinha esperanças de encontrar meu esposo porque ele era um herói, um herói pai, um herói profissional. A angústia pela falta de notícias aliviou um pouco, mas a dor não vai passar nunca. Ele é o grande amor da minha vida”, lamentou.

O enterro de Eric Barcelos será realizado ainda nesta quinta na Serra.

De acordo com parentes de Eric, a embarcação na qual ele estava naufragou após bater em uma pedra, próximo à Ilha Escalvada, em Guarapari.

Outros dois tripulantes que também estavam na embarcação foram resgatados no dia 2 de novembro por um navio que passava pela região.

Segundo a família de Eric, o homem já era aposentado, mas em função de sua experiência, ainda era chamado para prestar serviços em embarcações.

Na manhã do dia 1º, Eric e os outros dois trabalhadores saíram de Vitória em direção ao Porto do Açu, em São João da Barra, no Norte Fluminense, onde deveriam chegar nesta segunda. Eric fez contato com a família pela última vez quando passou pela Terceira Ponte.

Edson de Souza, dono da empresa Vitória Embarcações, a qual embarcação pertence, afirmou que por volta das 18h de domingo o contato com os tripulantes foi perdido e a Capitania dos Portos precisou ser acionada.

Outros dois trabalhadores que estavam no rebocador foram resgatados no mar na madrugada de segunda, horas após o naufrágio. Mesmo debilitados e com sinais de hipotermia, eles informaram que no momento do acidente havia uma forte ventania e o mar estava agitado.

“Eles relataram que o barco bateu numa pedra e afundou. Quando afundou, meu esposo foi para o fundo, mas como ele estava com o colete, ele boiou. Quando ele boiou, porque ele sabe nadar, ele falou com os dois colegas ‘Pedro e Salomão, vocês se cuidam aí e segurem’. Aí a onda veio e levou meu esposo”, explicou Rosângela.

Ao longo do mês, parentes e amigos se uniram para fazer buscas pelo marítimo no litoral capixaba. No dia 11 de novembro, a Marinha informou que havia suspendido as buscas pelo trabalhador.

Leia mais

Leia também