Congregação Evangélica de Água Doce do Norte está confeccionando várias máscaras para doação no município

O período de notícias ruins tem feito com que várias pessoas esqueçam o prazer de ajudar ao próximo, pensando nas dificuldades atuais uma ótima ideia surgiu em Água Doce do Norte no intuito de ajudar ao próximo.

A iniciativa partiu do Pr. Weberton Paiva da Primeira Igreja Batista de Água Doce do Norte que logo no início da Pandemia do novo coronavírus percebeu que muitos idosos do grupo de risco da congregação que ele administra poderiam ficar sem máscaras descartáveis, devido ao grande número de pessoas que necessitariam do produto.

De repente surgiu a ideia de confeccionar algumas máscaras, ele então adquiriu o material necessário para confecção, no entanto ele precisava de alguém que comprasse a ideia, foi quando a empresária Eloísa Vilete, dona de uma empresa de tapetes, se colocou a disposição para trabalhar como voluntária no segmento de costura das máscaras, o sucesso foi tão grande que além de Eloisa, outras duas costureiras do município e um grupo de voluntárias da Congregação Batista localizada no Córrego Alto se disponibilizaram para ajudar na confecção.

De acordo com Pr. Weberton, a ideia que antes era de abençoar apenas os idosos da Congregação, hoje ficou muito maior, ele acredita ter material suficiente para confeccionar máscaras de proteção reutilizável para aproximadamente, 15% da população de Água Doce do Norte, totalizando uma média de 1.500 unidades produzidas e doadas.

Outro ponto positivo apontado por Pr. Weberton foi a união de outras autoridades civil e religiosas do município, segundo ele, o Padre João Batista da Paróquia Senhor Bom Jesus já solicitou amostras das máscaras para dar continuidade na ideia em sua comunidade, além do Padre, representantes do MPA também se interessaram em entrar nessa luta contra o Coronavírus, e já prometeram também trabalhar na confecção de algumas máscaras.

Pr. Weberton acredita que a melhor forma de vencer essa Pandemia é através da união entre os povos, sejam eles religiosos, políticos ou qualquer outro que seja, pois unidos esse vírus sumirá da humanidade em breve com muita fé e perseverança em Deus.

Já a empresária Eloísa Vilete aproveitou para publicar em suas redes sociais o resultado do trabalho realizado no fim do dia, ela disse que o objetivo não foi ostentar qualquer tipo de contribuição para a sociedade, mas sim de poder despertar em outras pessoas a vontade de ajudar ao próximo, com atitudes que tragam conforto, esperança e fé para a população aguadocense.

Eloísa informou que nas últimas semanas sentiu uma queda nas vendas de sua empresa, e por conta disso está se dedicando quase que exclusivamente para a confecção das máscaras “Talvez a gente volte melhores pessoas no fim dessa pandemia, se escolhermos ser uma família.” disse Eloísa, para o Portal ADN.

Leia mais

Leia também