Com 17 cidades em risco alto, Espírito Santo volta a adotar medidas restritivas; veja o que muda

 

Governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, relembra medidas restritivas para municípios em risco alto — Foto: Reprodução

Governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, relembra medidas restritivas para municípios em risco alto — Foto: Reprodução

O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), anunciou, em pronunciamento oficial na noite desta sexta-feira (12), que as cidades do estado vão voltar a adotar medidas mais rígidas para combater o avanço da pandemia de coronavírus.

De acordo com a atualização do mapa de risco, o Espírito Santo não tem mais municípios com risco baixo para o contágio de Covid-19. São 17 cidades em risco alto e 61 em risco moderado.

Na Grande Vitória, estão em risco alto Serra e Vila Velha. A classificação vale para as próximas duas semanas. Até então, a validade do mapa era de sete dias.

  • Eventos estão proibidos
  • Aulas presenciais estão suspensas;
  • Cinemas, teatros e espaços de recreação infantil não poderão funcionar;
  • Parques municipais e unidades de conservação ficarão fechados;
  • Academias não podem oferecer atividades aeróbicas e o número de alunos por horário deve ser limitado;
  • Shoppings e galerias comerciais podem funcionar até as 20h, de segunda a sexta-feira; 16h nos sábados; e não podem abrir aos domingos.
  • Restaurantes, lojas de conveniência e distribuidoras só podem ficar abertos até as 16h;
  • O funcionamento de bares está suspenso e é proibido consumir bebidas alcoólicas em distribuidoras de bebidas e lojas de conveniência;
  • Barreiras sanitárias deverão ser implantadas nas entradas e saídas do território e nas rodoviárias;
  • Na administração estadual, os trabalhadores diretos e indiretos deverão atuar, prioritariamente, de forma remota. Apenas os serviços essenciais serão desenvolvidos de forma presencial.

O governador Renato Casagrande ressaltou que a adoção das medidas é necessária para conter o avanço da doença no estado.

“Minha tarefa como governador é proteger a população capixaba, mas não consigo e não posso me proteger sozinho. Preciso das demais entidades públicas e privadas e que cada um cumpra suas tarefas e responsabilidades. ”, destacou o governador.

Mesmo com o aumento da oferta pela compra de leitos no Espírito Santo, nesta sexta-feira (12), 84,53% das UTI para o tratamento de Covid-19 estavam ocupadas.

Com o aumento dessa ocupação, o recebimento de pacientes de Santa Catarina, que seriam tratados no Espírito Santo, foi suspenso. No estado, 85 pacientes com coronavírus morreram antes de conseguir um leito especializado.

Enfrentando problemas com a disponibilidade de leitos, nenhum outro estado brasileiro pode receber os pacientes que viriam para o Espírito Santo.

Para evitar que situação semelhante aconteça no Espírito Santo, o governador ressaltou que a população deve ter disciplina e responsabilidade. A vacinação, única forma de prevenção da doença, atingiu menos de 5% dos moradores. “É preciso disciplina para conter a disseminação do vírus. Estamos tentando evitar uma situação de calamidade, de colapso, de não ter leitos de UTI.”

O estado, segundo Casagrande, passa por uma nova onda da doença. Essa expansão pode ser mais perigosa que as demais por causa da circulação de novas variantes do vírus.

“Passamos por duas fases muito perigosas, de julho a agosto, depois dezembro e janeiro. Agora, estamos entrando em uma nova fase, que pode ser a mais perigosa, pelo colapso que estamos vivendo e pelas novas variantes”, disse o governador.

Leia mais

Leia também