Colombianos voltam às ruas nesta quarta em mobilizações pacíficas


A Colômbia vive nesta quarta-feira (19) nova jornada de protestos populares. Desde o dia 28 de abril, os movimentos sociais têm convocado o povo a realizar protestos pacíficos, que entretanto, são brutalmente reprimidos pela polícia.

Os protestos desta quarta-feira ocorrem na sequência da tentativa fracassada de diálogo com o governo de extrema direita de Iván Duque, na busca de uma saída política para a crise que o país sul-americano está enfrentando. O governo Duque recusou oferecer garantias para o protesto social, um dos pedidos para iniciar a negociação, informa a Prensa Latina.

“Duque declara guerra aos desempregados quando ordena o destacamento do máximo número de Forças Militares e Policiais nos locais de concentração pacífica que hoje existem no país”, disse Francisco Maltés, porta-voz do comitê nacional de luta.

‘A greve continua. Pela vida e pela paz mantemos o apelo às maiores e mais pacíficas mobilizações para esta quarta-feira, 19 de maio, com todos os protocolos sanitários, afirmou o dirigente social. 

Já foram 22 dias ininterruptos de mobilizações na Colômbia contra as políticas econômicas e sociais do governo Duque.

De 28 de abril até hoje, 43 pessoas morreram na Colômbia, provavelmente nas mãos da força pública, durante os dias da greve, segundo o relatório mais recente da ONG Temblores.

A repressão policial é responsável por pelo menos 2.387 casos de violência, sem contar os desaparecimentos; além de 384 vítimas de violência física e 1.139 prisões arbitrárias contra manifestantes.

O relatório também acrescentou 472 intervenções violentas, 33 vítimas de ataques oculares, 146 atos de tiros de arma de fogo; 18 vítimas de violência sexual e cinco de violência de gênero.

Manifestação na Colômbia

Manifestação na Colômbia (Foto: Luisa Gonzales/Reuters)

Leia mais

Quem brigou, perdeu!

Leia também