Chuvas voltam a dar prejuízo a moradores de Iconha

De acordo com a prefeitura, em 10 horas, choveu mais de 175 milímetros na cidade. Várias ruas ficaram intransitáveis.

Rua de Iconha, no Sul do ES, alagada

Desde a tarde desta quinta-feira (31), a cidade de Iconha, no Sul do Espírito Santo, registrou um grande volume de chuva, que voltou a levar prejuízo e medo aos moradores. De acordo com a prefeitura, em 10 horas, foram mais de 175 milímetros. Ainda não se sabe quantos metros o nível do rio subiu.

Até a BR-101, que corta o município, foi afetada. De acordo com a Eco 101, concessionária que administra a via, foram seis quedas de barreiras no trecho que passa por Iconha, e mais cinco em Rio Novo do Sul. Nesses trechos, a pista já está liberada.

Histórico

As chuvas fortes reacendem na memória dos moradores de Iconha uma tragédia recente. No início deste ano, a cidade foi devastada por aquela que é considerada a maior enchente da história do município.

Mais de 30 comunidades ficaram completamente isoladas. Depois de ver tanta destruição, muitos moradores não conseguem dormir quando começa a chover.

Na porta da casa alagada, a comerciante Ludenir Ozório relembrou o desespero das últimas 24 horas.

“Chamei meu filho, corri e tirei a máquina, o tanquinho, as roupas e produtos de limpeza. Tirei tudo, porque a água já estava entrando. Não dormimos. Como vamos dormir sabendo que moramos perto do rio? E a água, só subindo”, desabafou a comerciante.

Uma oficina de lanternagem, que nem nas chuvas do início do ano havia sido tão afetada, chegou a ficar completamente destruída dessa vez. Foram 50 anos de trabalho danificados.

“Eu falei com meu filho ‘vamos tirar tudo que vai ficar feio’. Quando olhei pra trás, já tinha água no meu pé. Não demos conta, foi subindo de repente. Eram 21h, estávamos aqui presos, dentro d’água”, contou o lanterneiro Antônio Biancardi.

Inesperado

De acordo com o chefe de gabinete de Iconha, Leandro Mezadre, as chuvas nessa época do ano foram inesperadas, já que o período é de seca. Para ele, os problemas são os bueiros.

“A gente não esperava. Não é uma época de cheia do rio. A Defesa Civil está em ação desde ontem. Tivemos um pequeno deslizamento perto de uma empresa. Uma pessoa está desalojada e a equipe está retirando essa pessoa para ir para a casa de parentes. Foi muita chuva em pouco espaço de tempo, os bueiros não deram conta de escoar. Mas a equipe técnica da Secretaria de Obras vai vistoriar e avaliar novamente os boeiros para sanar o problema”, adiantou.

Aterro

Para o comerciante Denivan Coutinho, essas enchentes podem ter sido provocadas por um aterro que foi feito recentemente.

“Foi um aterro que fizeram durante o fim de semana. Depois disso, qualquer coisinha dá essa água. A população está toda preocupada, revoltada com as obras malfeitas. Tem bueiros entupidos, várias coisas que têm que ser resolvidas”, apontou.

O chefe de gabinete da cidade disse que a prefeitura vai procurar essa obra para verificar a situação. “Não temos ainda o conhecimento efetivo na prefeitura, mandaremos uma equipe no local para avaliar”.

Com informações da TV Gazeta

 

Leia mais

Leia também