China reivindica mais espaço na mídia internacional


A China, a segunda maior economia do mundo, o maior país em desenvolvimento com 1,4 bilhão de habitantes, quase um quinto do total mundial, com uma civilização ininterrupta de 5.000 anos, é merecedora de um lugar na cobertura mediática internacional, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying .

Ela fez essas declarações na terça-feira (11), em uma coletiva de imprensa, quando solicitada a comentar uma recente reportagem da mídia americana segundo a qual a China está criando uma alternativa à mídia noticiosa global, dominada por veículos como a BBC e CNN, e inserindo dinheiro, poder e a perspetiva chinesa em quase todos os países do mundo.

“O mundo é um lugar diverso. No setor da mídia, em vez de haver apenas a CNN e a BBC, os países deveriam ter suas próprias vozes”, disse Hua, segundo o Diário do Povo.

Devido à diferença nos sistemas, os meios de comunicação em diferentes países operam de maneiras diferentes. Ao avaliar se uma organização de mídia é profissional, o mais importante a se referir é se ela segue a ética do jornalismo, a objetividade e a justiça em suas reportagens, acrescentou ela.

“Eu observei que o Comitê de Relações Exteriores do Senado dos EUA aprovou a Lei de Competição Estratégica de 2021, que autoriza a alocação de $300 milhões para cada ano fiscal para ‘conter a influência maligna do Partido Comunista Chinês globalmente'”, disse Hua, enfatizando que a mídia chinesa faz a cobertura de forma objetiva e nunca inventa ou dissemina desinformação visando outros países.

Hua disse que a Agência de Notícias Xinhua é uma agência de renome mundial com quase 90 anos de história. Seguindo as regras habituais de operação, ele fornece serviço de notícias confiável e profissional a usuários globais. Sua cooperação com outras agências de notícias não é diferente da AP, Reuters, AFP, Kyodo, entre outras.

“Ninguém pode privar a mídia chinesa como a Xinhua de seu direito de intercâmbio e cooperação só porque é da China, um país socialista. Acusar a Xinhua de se envolver em intercâmbios e cooperação com outras agências apenas com base nisso consiste num viés ideológico e discriminação política “, disse.

Hua observou que é uma completa distorção dos fatos acusar a China de suprimir a mídia estrangeira e negar vistos a jornalistas norte-americanos.

Ela disse que, “após o surto de Covid-19, fizemos o que pudemos para superar as dificuldades e ajudar os correspondentes americanos na China e suas famílias retidas no exterior a regressar à China. Mesmo que os EUA se recusem a conceder a prorrogação de visto a jornalistas chineses, nós oferecemos apoio e assistência aos jornalistas americanos que trabalham na China, como a todos os jornalistas estrangeiros. Suas reportagens aqui não foram afetadas”.

Ao abusar da hegemonia do discurso, os EUA lançaram um ataque de desinformação à China sob o pretexto da liberdade de mídia. Nesse sentido, os EUA estão deixando a ideologia substituir os princípios de objetividade e autenticidade, justificando sua manipulação política com a repressão da mídia chinesa por meio da difamação, disse Hua.

“Diante de mentiras e rumores difamatórios, é natural que façamos com que nossa própria voz seja ouvida”, disse Hua, acrescentando que a China explicou a verdade e os fatos sobre muitas questões importantes, incluindo a Covid-19, para assegurar uma narrativa objetiva e direta na memória humanidade.

“A isso chamamos de atitude responsável de um país responsável”, disse Hua.

Hua Chunying, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China

Hua Chunying, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China (Foto: FLORENCE LO/REUTERS)

Leia mais

Leia também