China diz para Reino Unido ‘pensar 2 vezes’ sobre aliança com Austrália e EUA e alerta para risco de proliferação nuclear

Compartilhe


Sputinik – O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, alertou o Reino Unido para ser cauteloso sobre a nova aliança AUKUS, com a Austrália e os EUA, que permitirá que Camberra adquirir submarinos movidos a energia nuclear.

“A criação de um novo bloco militar na região vai desencadear uma corrida armamentista, provocar confrontos entre grandes potências e minar a paz e a estabilidade regionais […]. O lado chinês se opõe a este acordo e exorta o lado britânico a prosseguir com [o princípio de] salvaguardar o sistema de não proliferação nuclear, manejá-lo com cautela e pensar duas vezes”, disse Wang durante ligação com a chanceler britânica Liz Truss na sexta-feira (22), citado pelo jornal The South China Morning Post.

Wang disse ainda que o acordo vai permitir que pela primeira vez um país com armas nucleares transferira um submarino com propulsão nuclear para um outro país sem armas nucleares, fornecendo urânio altamente enriquecido, acrescentando:

“Como não está sujeito à supervisão e verificação internacional, está fadado a representar um sério risco de proliferação nuclear. A China expressa sérias preocupações sobre o estabelecimento de uma parceria tripartida de segurança entre os EUA, o Reino Unido e a Austrália e o desenvolvimento da cooperação de submarinos nucleares.”

Wang disse que a China e o Reino Unido devem administrar adequadamente suas diferenças para garantir o desenvolvimento saudável de suas relações bilaterais.

A Malásia e a Indonésia afirmaram anteriormente que estão “preocupadas e apreensivas” com a possibilidade de a AUKUS levar a uma corrida armamentista no Sudeste Asiático.

Dependência da China

A ligação telefônica entre Wang Yi e Liz Truss ocorre dias após a chanceler britânica afirmar que o Reino Unido não deve se tornar “dependente” da China, ressaltando que a infraestrutura nacional crítica, como usinas nucleares, deve ser construída apenas com parceiros “com ideias semelhantes”.

“Eu diria que, claro, fazemos negócios com a China. É um importante parceiro comercial do Reino Unido. Mas é importante não nos tornarmos estrategicamente dependentes”, comentou Truss.

Em entrevista ao jornal The Daily Telegraph, a chanceler britânica indicou que as empresas controladas por Pequim deveriam ser excluídas dos contratos para construir a usina nuclear Sizewell C, dizendo que o trabalho conjunto em projetos sensíveis deveria ser feito apenas com nações que têm “vínculo de confiança” com o Reino Unido.

Leia também

Equipe Força & Ação com manobras radicais levou o público ao delírio no centro de Barra de São Francisco

Um grande público, formado em sua maioria por jovens, lotou o trecho da avenida Jones dos Santos Neves,...

PRESIDENCIÁVEIS: Ciro Gomes pretende recriar o Ministério da Indústria e do Comércio se eleito

O pré-candidato à presidência da república Ciro Gomes pretende recriar o Ministério da Indústria e Comércio, se eleito....

Corinthians empresta Rodrigo Varanda e libera goleiro para time do Chipre

ARTHUR SANDES SÃO PAULO, SP (UOL-FOLHAPRESS) - O Corinthians fechou nesta segunda-feira (4) a transferência de dois jogadores...

Emendas de Majeski à LDO priorizam transparência, educação, meio ambiente e controle de gastos

Uma das orientações apresentadas pelo deputado acaba com o pagamento de jetons para secretários, diretores e gerentes participarem...