China considera que a principal responsabilidade pela redução das emissões deve ser assumida pelos países desenvolvidos • SiteBarra

China considera que a principal responsabilidade pela redução das emissões deve ser assumida pelos países desenvolvidos


Global Times A cúpula do G20 deste fim de semana em Roma deve definir o tom para a cúpula global do clima, a COP26 em Glasgow. O mundo está prestando muita atenção à atitude da China e dos EUA. Se as duas maiores economias puderem se unir e cooperar, isso determinará o futuro de toda a operação sobre as mudanças climáticas, afirma em editorial o jornal chinês Global Times.

As relações China-EUA estão tensas, mas as negociações sobre mudança climática estão em andamento. O Enviado Presidencial Especial para o Clima dos EUA, John Kerry, visitou a China duas vezes este ano. Mas ainda há uma lacuna entre as reivindicações dos dois países. Em grande medida, essa lacuna reflete as divergências entre países desenvolvidos e em desenvolvimento. 

O atual governo democrata dos EUA atribui grande importância à questão do clima. Ele assumiu o compromisso de reduzir as emissões de carbono dos EUA em 50-52 por cento em 2030 em comparação com 2005. Ele usa esse compromisso como alavanca para pressionar a China e outros países em desenvolvimento a aceitar metas radicais de redução de emissões. De acordo com os desejos dos EUA, a China deveria desligar todas as usinas movidas a carvão em breve e buscar energia limpa. Isso é impossível de alcançar. 

Como o maior país em desenvolvimento, a China assumiu em 2020 um compromisso claro de atingir o pico de carbono até 2030 e a neutralidade de carbono até 2060. A China é a primeira grande economia em desenvolvimento a anunciar um cronograma para reduzir as emissões. Desde então, a China não apenas reiterou repetidamente esse compromisso, mas também anunciou que não construirá mais novos projetos de energia movidos a carvão no exterior. Essas medidas têm sido amplamente elogiadas pelo mundo.

A China não apenas disse isso, mas também promoveu seus compromissos nas políticas industriais domésticas. A economia verde e de baixo carbono rapidamente se tornou ums palavra de ordem na China. O sistema de controle duplo do consumo de energia e da intensidade energética foi distribuído por todas as províncias e regiões, tornando-se uma tarefa a ser implementada. Todo o país está mobilizado para reduzir as emissões de carbono.

A China enfrentou falta de eletricidade no segundo semestre de 2021. Uma das razões subjacentes é a promoção do sistema de controle duplo pela China. Isso mostra que a China está fazendo esforços para controlar as mudanças climáticas. Este é um país que sempre cumpre sua promessa solene. Vamos aprender com a experiência para conseguir a coordenação entre os picos de carbono, a neutralidade de carbono e as tarefas realistas de desenvolvimento econômico e social. 

A promessa do governo Biden chama a atenção. Mas há dúvidas internacionais generalizadas sobre como Washington pode garantir o cumprimento dessa promessa, onde está sua influência e como garantirá a sustentabilidade da política. 

Nos EUA, apenas o governo democrata apoia a ação climática da ONU. A administração anterior de Trump retirou-se abertamente do Acordo de Paris e jogou de lado toda a ação climática da ONU. A administração Biden é como alguém que estava ausente retornando às aulas. No entanto, uma vez que o Partido Republicano chegue ao poder, será altamente incerto se os EUA irão “faltar às aulas” novamente e se o compromisso do governo Biden será derrubado novamente. A cúpula do G20 e a cúpula do clima global COP26 estão chegando, mas o plano de orçamento de US $ 1,75 trilhão de Biden com foco nas mudanças climáticas e outras questões não foi aprovado. Isso piorou ainda mais a credibilidade de Biden. 

As pessoas estão preocupadas que o governo Biden tenha feito promessas ao mundo, mas eventualmente seria um plano que não poderá ser implementado. A principal função do plano seria enganar outros países para que aprendessem com a “generosidade” dos Estados Unidos e sacrificassem seus próprios interesses para assumir maior responsabilidade pela redução de emissões do que deveriam.

A Índia é uma das economias em desenvolvimento que mais se opõe à alocação da responsabilidade pela redução de emissões liderada pelos EUA e pela Europa. A Índia já é a quinta maior economia do mundo e o terceiro maior emissor, depois da China e dos Estados Unidos. Mas a atitude da Índia é muito dura. Recusa-se a assumir qualquer compromisso específico, incluindo um cronograma para reduzir as emissões. Na Índia, a redução de emissões ainda não se tornou uma agenda de desenvolvimento econômico e social. 

A principal responsabilidade pela redução das emissões deve ser assumida pelos países desenvolvidos. Isso ocorre porque a maior parte do dióxido de carbono na atmosfera foi emitida por países desenvolvidos desde a industrialização. Os países em desenvolvimento não podem impedir o próprio desenvolvimento para cumprir as metas climáticas defendidas por poucos países desenvolvidos. É moral dar espaço para as emissões aos países em desenvolvimento, para que eles alcancem um maior desenvolvimento econômico e social.

A China participa ativamente da promoção da ação climática, ao mesmo tempo em que mantém o desenvolvimento econômico e social. Os EUA e outras economias desenvolvidas devem respeitar a atitude responsável da China em relação ao planejamento geral. Enfrentando a ameaça das mudanças climáticas, eles deveriam trabalhar com a China para construir uma comunidade de futuro compartilhado para a humanidade.

É inevitável que algumas forças tentarão usar uma questão tão grande para buscar benefícios geopolíticos. Por exemplo, algumas forças extremistas no Ocidente querem usar a ação climática para solidificar o atual padrão de desenvolvimento do mundo e suprimir o espaço para a ascensão da China. Eles querem privar o grande número de países em desenvolvimento da chance de crescer economicamente, em vez de instar os países ocidentais a transferir tecnologia ecológica e fornecer assistência aos países em desenvolvimento. Devemos estar vigilantes quanto à influência das forças de mente estreita sobre a ação climática.

Xi Jinping e Joe Biden

Xi Jinping e Joe Biden (Foto: Reuters | Reprodução)