Chefe da OMC diz que não concorda com restrições à China


A China estará mais disposta a participar de reformas comerciais globais se não se sentir alvo de outros países, avalia a chefe da Organização Mundial do Comércio (OMC), Ngozi Okonjo-Iweala.

De acordo com uma reportagem da Reuters, a diretora-geral da entidade fez as observações em uma conferência na segunda-feira organizada pela Comissão Europeia, informa o Diário do Povo.

Os Estados Unidos, a União Europeia e o Japão estão buscando restrições sobre apoio estatal aos subsídios industriais para resolver preocupações relativas às empresas estatais da China, aponta o artigo.

No entanto, suas propostas precisam ser aprovadas por unanimidade pelos membros da OMC.

Okonjo-Iweala considerou as negociações que teve com a China “muito construtivas”, dizendo que o país seria mais receptivo se visse a OMC lidando com outros tipos de subsídios.

A China estaria mais disposta a discutir subsídios industriais se as negociações também forem ampliadas aos subsídios agrícolas predominantes no Ocidente.

Atualmente, a OMC está trabalhando com outras partes em um estudo sobre subsídios gerais para “colocar alguns fatos objetivos sobre a mesa”, disse Okonjo-Iweala.

(Foto: Divulgação)

Leia mais

Leia também