Chanceler da Nicarágua diz que EUA têm plano para afastar Daniel Ortega do poder


Sputnik – O chanceler da Nicarágua, Denis Moncada, em entrevista à Sputnik, após uma onda de críticas pela prisão de vários opositores, denuncia que, a exemplo do que fizeram na década de 1980, os Estados Unidos coordenam um plano para impedir que o sandinismo permaneça no poder.

Nas últimas três semanas, a Nicarágua foi manchete pela prisão de vários oponentes, incluindo cinco pessoas que afirmam ter aspirações presidenciais. Por que essas pessoas foram presas cinco meses antes das eleições? – questiona a Sputnik

“A situação deve ser bem esclarecida. Em primeiro lugar, a atividade desses senhores não é de opositores, mas de dirigentes de organizações não governamentais que têm financiamento de países estrangeiros, principalmente dos Estados Unidos, da União Européia e de outros países. Este financiamento visa desestabilizar a Nicarágua e dar continuidade à tentativa de golpe que começou em 2018 para derrubar o governo constitucional, o governo democraticamente eleito do presidente Daniel Ortega e da vice-presidente, Rosário Murillo. Então, não há outro vínculo senão o da propaganda dirigida pelos Estados Unidos e outros países interessados ​​em desestabilizar o país e como sempre costumam mentir. 

O chanceler nicaraguense também explicou por que essas prisões ocorrem cinco meses antes das eleições presidenciais

“Vamos nos lembrar de uma coisa.” A Nicarágua é um Estado livre, soberano, independente e autodeterminado. Seu processo eleitoral foi realizado de acordo com o que determina a Constituição da Nicarágua, a lei eleitoral deste país e os mandatos e disposições do Conselho Supremo Eleitoral.

“Foi acordado um calendário eleitoral com os partidos políticos com personalidade jurídica na Nicarágua e esse calendário eleitoral estabelece que do final de julho a meados de agosto os candidatos eleitorais serão registrados. Ou seja, neste momento não se pode dizer diretamente que existam candidatos presidenciais ou pré-candidatos, menos quando essas pessoas estão sendo processadas por fortes indícios de crimes de lavagem de dinheiro, crimes ligados justamente a um atentado à sociedade nicaraguense, contra os direitos do povo da Nicarágua e outra série de atos que comprometem a independência, soberania e autodeterminação de nosso país.

Essas pessoas também incitam a ingerência estrangeira nos assuntos internos e até pediram intervenções militares e se organizaram com financiamento de potências estrangeiras para desestabilizar o país e continuar sua tentativa de golpe. Esta é a situação”.

Daniel Ortega, presidente da Nicarágua

Daniel Ortega, presidente da Nicarágua (Foto: STRINGER/MEXICO)

Leia mais

Leia também