Casos da Covid-19 dobram em um mês no estado de Alagoas

O número de casos confirmados da Covid-19 deslanchou após o período eleitoral e o início de uma alta temporada movimentada no estado de Alagoas. Enquanto de novembro a dezembro houve um aumento de 4.627 novos casos, de dezembro a janeiro o crescimento foi de 10.071 novos infectados no estado.

De acordo com os Boletins Epidemiológicos da Secretaria de Estado da Saúde, analisados pela Agência Tatu, em 3 de dezembro haviam 95.643 casos confirmados, o que representa 5% de aumento com relação aos números de 3 de novembro (91.016). Já no boletim divulgado no dia 3 de janeiro, os casos saltaram para 105.714, um acréscimo de 10,5%.

Segundo o secretário de Saúde de Jundiá e presidente do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Alagoas (Cosems), Rodrigo Buarque, o aumento do número de casos já era esperado após o período eleitoral e também com a flexibilização do decreto estadual. 

“As festividades e o fluxo de turismo no fim do ano ainda deverão manifestar impacto nas próximas semanas. Porém ambos os movimentos favoreceram a aglomeração, aumentando o risco de contágio, consequentemente o número de casos e aumento de hospitalização”, avaliou.

De acordo com o Cosems, chama atenção também o aumento da hospitalização em termos diários, apresentando uma média móvel de 238 internações por dia durante a semana. A rede privada teve um aumento maior de internações e faixas etárias que mais se internam de 60 a 69 anos e de 70 a 79.

Com relação aos óbitos, o aumento de novembro para dezembro foi de 96 vítimas (4,2%), enquanto de dezembro para o início de janeiro foi de 163 novas mortes (6,90%). 

RJ terá regulação única de leitos de Covid-19, entre estado, prefeitura e Ministério da Saúde

Ministro da Saúde tira dúvidas de lideranças municipais sobre vacinação contra Covid-19

Fernando Maia, infectologista do Hospital Escola Dr. Helvio Auto, uma das referências para tratamento da Covid-19 em Alagoas, destacou que ainda se espera o resultado real das aglomerações de fim de ano esta semana, mas mesmo não estando em colapso, o estado vem se preparando com leitos de retaguarda para o atendimento dos casos da doença.

“Até o momento não foi necessário montar hospital de campanha. Os hospitais que já estão montados tem conseguido suprir a demanda. Mas há possibilidade que se venha a montar novamente hospital de campanha se o número de casos aumentar mais do que já está acontecendo”, afirmou.

Localizado no Sertão alagoano, o município de Palestina é o que possui maior incidência, com 308 casos confirmados e 5.037 habitantes. De acordo com a estimativa populacional para 2020 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a cada mil moradores 61 já contraíram Covid-19. 

Veja os dez municípios com maior incidência no estado:

Avanço do vírus

Municípios de outros estados também registraram aumento expressivo no número de casos neste início de ano e voltaram a tomar medidas mais severas de restrição. O prefeito de Manaus, David Almeida, decretou novamente estado de emergência por 180 dias por conta do avanço da Covid-19 na cidade. 

A capital amazonense voltou a ter hospitais lotados por conta do vírus. Nos últimos dias, a cidade registrou recorde de novas internações que superaram números vistos em abril e maio, quando houve colapsos no sistema público de saúde e funerário.

Uma das últimas cidades do interior do Acre a registrar casos de Covid-19, o município de Manoel Urbano vive um momento preocupante com aumento significativo de casos da doença nos últimos dois meses. O aumento foi de 41%, entre os dias 1º de novembro de 2020 a 1º de janeiro de 2021.

Com o ritmo acelerado no aumento de casos graves em Mato Grosso do Sul, o estado precisou reativar 59 leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) públicos para atender os casos graves da doença.  Também foi necessário incremento de mais um leito clínico pediátrico, passando de 113 para 114, e mais 3 de UTI pediátrica, passando de 9 para 12.

Hospital de campanha Covid-19. Foto: Agência Brasil

Leia mais

Leia também