Capixaba traça nova história de vida e hoje é a única que atende somente cabelos cacheados

Compartilhe

 

A vida da Cristiane dos Santos tinha tudo para dar errado, mas ela, preferiu seguir outro caminho. Destinada a ter seu próprio negócio, a fome e a pobreza deram vez à vontade de crescer e agora, a cabeleireira é a única em Nova Venécia, que tem um salão destinado a tratar apenas cabelos cacheados, crespos e ondulado. A Notícia traz essa história ainda, em homenagem ao Dia Internacional da Mulher. E que nunca nos falte histórias de superação e empedramento para contar!


Reportagem: Cintia Zaché, Rede Notícia

A história da Cristiane dos Santos, 34 anos, com certeza traz inspiração para a semana de reportagem que a Rede Notícia vem promovendo, com relação ao Dia Internacional da Mulher. A veneciana conseguiu crescer, fazer a diferença em sua profissão, mesmo com tudo sendo desfavorável para ela, a vida inteira.

Depois de passar muita necessidade na infância, não ter nem o que comer muitas vezes em casa, Cristiane optou em estudar, e foi através de muita dedicação, que hoje, ela tem um salão no bairro Rúbia, destinado apenas a cuidar de cabelos cacheados, crespos e ondulados. “No propósito que atendemos, somos o único da cidade, não trabalhamos com química, trabalhamos com a verdadeira identidade de cada mulher cacheada”, explica.

Funcionando há seis anos, o Instituto dos Cachos tem como diretriz, valorizar os cabelos cacheados, crespos e ondulados, através de tratamento, corte, tranças, penteados e mechas. “Tudo começou com meu cabelo, ele era quimicamente tratado, e eu quis saber como ele ficava natural, foi então que os assumi do jeito que são, e vi que a minha identidade, é minha verdadeira beleza. Quando vi que me libertei do que poderia ser “convencional”, comecei a investir o mesmo em minhas clientes. Agora temos um lugar para atender esse público, cabelo cacheado, ondulado e crespo Aqui foi planejado para trazer essa autoestima da mulher cacheada de volta, pois ela não precisa alisar o cabelo, para ficar bonita, pelo contrário, o cabelo cacheado é lindo demais”, fala.

Junto a Cristiane, o marido, o Cleidimar Dias Merces, administra o Instituto dos Cachos, que ainda conta com mais duas funcionárias.

História de vida

Cabeleireira, empresária e imponderada, Cristiane teve que lutar muito, para chegar a essa agenda lotada diária do Instituto dos Cachos.

De acordo com ela, a infância junto aos seus irmãos, foi sofrida. Comida, roupa e o básico, eram precários. A mãe, a dona Sônia Maria Balbina, precisou cuidar dos seis filhos sozinha, ao pai ir embora. “Não tínhamos quase nada, já vi minha mãe dividindo a comida para a gente e, comer somente a raspa da panela. Passamos muita necessidade, muita falta de tudo, mas, o que poderia dar errado, deu certo”, conta.

Após terminar o Ensino Médio, Cristiane entrou em contato com o pai, e pediu que ele a ajudasse a pagar um curso de cabeleireira. “Eu queria estudar, sempre sonhei em conquistar meus sonhos. Ele falou que me ajudaria se eu trabalhasse na sapataria dele em Vitória, ele é sapateiro. Eu aceitei e fui, fiquei um ano lá, estudando e trabalhando”, relata.

Ao voltar para Nova Venécia, a cabeleireira descreve que não teve um início de carreira fácil. Entre os lugares que trabalhou, um foi na barbearia do cunhado, outro foi na varanda da casa da irmã, que a cedeu o espaço, e outro, foi andando pelas ruas mesmo, de sol a sol, na casa das clientes. “Eu saia a pé levando aquele peso todo de material no ombro, no sol quente, nem dinheiro para pegar ônibus eu tinha, andava de um bairro a outro, de uma extremidade a outra da cidade, mas nunca desisti”, conta.

Foi então que as coisas foram tomando outros rumos, e Cristiane decidiu montar um simples salão em sua casa, no Aeroporto. “Coloquei a cadeira e o espelho no quarto e comecei a atender. Achei que não fosse ter muita cliente, por ser longe. Mas foi ao contrário, minhas clientes nunca me abandonaram, continuaram indo à minha casa, e ainda, a procura pelos meus serviços dobrou. Não tenho dúvida nenhuma que, isso tem a mão de Deus. Eu não passava um dia sem cliente, só tenho a agradecer a Deus, por tudo”, diz.

Depois desta etapa, a veneciana alçou novo voo e montou o Instituto dos Cachos, que hoje, é sucesso e destaque no ramo, não somente em Nova Venécia, mas na região, já que ela atende pessoas também de outras cidades, além de ter também um espaço em Pinheiros, local que a cabeleireira atende duas vezes ao mês. “Eu não vou parar por aqui, pretendo ampliar meu negócio, ter salões em outras cidades, investir em minhas clientes com os cabelos cacheados, crespos e ondulados, quero investir nelas, quero investir em meus sonhos”, finaliza.

Leia também

Taxa de desemprego fica abaixo de 10% no Brasil, menor nível desde 2015

LEONARDO VIECELI RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A taxa de desemprego no Brasil recuou para 9,8% no...

Acidente em Guarapari: casal de pastores seguia para retiro de igreja no momento da colisão

Dois carros bateram de frente em um grave acidente na BR-101, na localidade de São João do Jaboti, em...

Temporada de baleias: saiba como fazer turismo de observação

A migração das baleias-jubarte pelo litoral do Espírito Santo já começou. Por causa da caça predatória, as jubarte já...

Brasil vence Bulgária e encerra etapa da Liga das Nações em 6º lugar

A seleção brasileira masculina de vôlei venceu a anfitriã Bulgária na Liga das Nações, com pressão total da...

TRIBUNAL DE JUSTIÇA NEGA INDENIZAÇÃO DE SEGURO A MOTORISTA QUE DIRIGIU EMBRIAGADO

  A Quarta Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Espírito Santo reformou uma sentença de primeiro grau para...