Capixaba Lane Matos disputa torneio nacional de futevôlei em Brasília

A jogadora Denislane Matos, conhecida como Lane Matos, disputa a 15ª edição do torneio Team Águia Footvolley Cup (TAFC), que acontece em Brasília, e tem início nesta sexta-feira (23). A capixaba, contemplada pelo programa Bolsa Atleta, da Secretaria de Esportes e Lazer (Sesport), lidera o ranking feminino do torneio, ao lado da parceira Rayana Servare.

 A competição é organizada pelo Team Águia Footvolley (TAF), em parceria com a Liga Brasileira de Futevôlei (LBF). Jogando na categoria profissional, Lane Matos encara outras 15 duplas na briga pelo título.

Campeã na última edição do torneio, realizado no fim de setembro, a atleta afirmou que “estar na liderança a faz ter um alvo nas costas”, mas que espera dar muito trabalho para as adversárias. Ela comentou o grau de dificuldade das competições e o que espera desta etapa.  

“Acredito que este torneio vai ser tão difícil quanto o primeiro, pois ganhar cada competição é bem trabalhoso. Temos que treinar mais e ir com mais vontade, pois a dificuldade mesmo é permanecer em primeiro lugar. Espero entrar com a mesma pegada que na última edição e não perder o foco. Nosso esporte oscila muito e, no fim, são os detalhes que definem”, declarou Lane Matos. 

Bolsa Atleta 

Contemplada na categoria nacional do Bolsa Atleta, Lane Matos destacou a importância do benefício para se manter focada no esporte de alto rendimento. 

“Para mim, o programa tem sido fundamental desde o início, pois além de atleta sou profissional de Educação Física e, mesmo sem trabalhar durante a pandemia, o Bolsa Atleta permitiu que eu tivesse uma renda. Após o retorno das atividades, consegui diminuir minha carga horária e estou podendo treinar mais, me dedicar mais ao esporte. Tem também a questão de passagens e alimentação. Tudo isso, o benefício tem me ajudado a manter”, pontuou.

Neste ano, o Programa Bolsa Atleta beneficia 121 atletas e paratletas de alto rendimento, com o auxílio financeiro mensal que varia de acordo com a categoria do atleta, dentro do edital, sendo R$ 500 (estudantil), R$ 1.500 (nacional), R$ 2 mil (internacional) e R$ 4 mil (olímpico). O investimento total da Secretaria de Esportes e Lazer no programa é de R$ 2,1 milhões.

 O valor recebido pelo atleta pode ser utilizado para cobrir gastos com alimentação, assistência médica, odontológica, psicológica, nutricional e fisioterápica, medicamentos, suplementos alimentares, transporte urbano ou para participar de treinamentos e competições, além da aquisição de material esportivo. 

Leia mais

Sobrinho agride tia com socos e pontapés por conta de pedaço de bolo

Uma mulher foi agredida pelo próprio sobrinho durante...

Formação de ciclone no litoral pode causar tempestades no ES e em mais oito estados

Um ciclone de características subtropicais que começa a...

ES: vítima perde R$ 100 mil em golpe de falso leilão

Ao menos quatro pessoas foram vítimas do golpe no município. O caso é investigado pela Delegacia Especializada de Investigações Criminais (Deic). Por Ariele Rui, TV...

Papai Noel dos Correios vai ser um pouco diferente este ano

A tradicional campanha Papai Noel dos Correios vai ter mudanças este ano por causa da pandemia de Covid-19. Então, para garantir a segurança dos...

Leia também

Número de empregados na agricultura fica normalizado

Após o primeiro impacto causado na economia e no mercado de trabalho devido à pandemia do novo coronavírus, o número de empregado no setor...

Pesquisa americana aponta melhor material de EPI contra a covid-19

Após nove meses de pandemia, mais de 6 milhões de casos da Covid-19 e quase 173 mil mortes causadas pelo vírus no Brasil, o...

Aumento de casos da Covid-19 no Brasil é apontado pela Fiocruz

O Brasil está vivendo um aumento no número de novos casos e mortes de pessoas contaminadas pela Covid-19 em alguns estados e municípios ao...

Mais de 20% das crianças estudam em escolas sem saneamento básico

Mais de 20% das crianças matriculadas em creches ou em pré-escolas do Brasil estudam em instituições de ensino sem saneamento básico. O pior cenário...