Câmara do Deputados aprova reajuste e torna programa permanente

Compartilhe

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (27), o texto base da medida provisória 1076/21, que institui o benefício extraordinário para as famílias beneficiárias do Programa Auxílio Brasil. A medida aumenta o benefício dos atuais R$ 224 para R$ 400. O novo valor era uma bandeira defendida pelo presidente Jair Bolsonaro. Agora, a MP vai para o Senado, que tem até o dia 16 de maio para votação.   

Para o deputado Francisco Júnior (PSD/GO), o incremento é “fundamental” para auxiliar as famílias neste momento de retomada. “É necessário aprimorar e avançar com os outros programas para que o beneficiário saia da situação de miséria”, pondera o parlamentar. 

O deputado do PSD goiano defende a prioridade dos programas sociais. “Tem um retorno de curto prazo. A pessoa que recebe esse recurso, naturalmente, investirá no comércio local, naquilo que é mais básico: um alimento, um aluguel, uma conta de luz. Em grande parte, esse investimento retorna aos cofres públicos em forma de imposto”, justifica. 

Brasil precisa de estratégias para ter sucesso com desenvolvimento econômico sustentável, diz presidente da CNI<\/a>

Marco legal do reempreendedorismo facilita negociações de pequenas empresas endividadas<\/a>

De extraordinário a permanente

A surpresa na votação do complemento extraordinário do Auxílio Brasil é que o relator e ex-ministro da Cidadania do governo Bolsonaro, deputado João Roma (PL/BA), aceitou a emenda do deputado Hugo Motta (Republicanos-PB) e tornou permanente o que seria apenas um benefício extraordinário. Estima-se que sejam necessários R$ 41 bilhões anuais para bancar o benefício. No texto original da MP, encaminhada pelo governo, esse reajuste só duraria até o fim de 2022.

O programa também garante que o beneficiário não saia imediatamente  do programa quando consegue um emprego. “Diferente do programa anterior, que quem conseguia um emprego com carteira assinada perdia o benefício, com o Auxílio Brasil, essa pessoa tem a garantia de ficar mais dois anos no programa e receber um benefício de R$ 200”, afirmou o relator João Roma.  

A MP do Auxílio Brasil dependia da aprovação da PEC dos precatórios, o que ocorreu em dezembro de 2021. Com a medida, foi possível abrir espaço fiscal para que o pagamento do reajuste no benefício ocorresse. Com a aprovação da PEC, o presidente da República editou um decreto que prorrogou o pagamento do benefício de janeiro a dezembro de 2022.
 

Foto: Wesley Amaral/Câmara dos DeputadosFoto: Wesley Amaral/Câmara dos Deputados

Leia também

Dormir mal pode contribuir para o ganho de peso?

Depois de uma noite inteira acordado, o que você gostaria de comer? Certamente não seria uma salada. Em...

INDICADORES: preço do café arábica sobe nesta sexta-feira (27)

A saca de 60 quilos do café arábica começou a sexta-feira (27) com alta de 2,83% no preço...

Senado aprova MP do programa de serviço voluntário

O Senado aprovou hoje (25) a Medida Provisória (MP) 1.099/2022, que cria o Programa Nacional de Serviço Civil...

Ex-moradores de rua reencontram a dignidade trabalhando no Hortão Municipal do Polo Industrial

Vilma Rodrigues Souza, 45 anos, veio de Ecoporanga há cerca de quatro anos, tentar uma vida melhor em...

Secretaria de Transportes e Estrada constrói passador de gado em granito no córrego do Itá

A Secretaria Municipal de Transportes e Estradas (Semte), construiu nesse sábado, 21, um passador de gado, em escória...