Brasil registra 74 mil mortes a mais do que o esperado para o período entre março e junho de 2020, aponta Conass

O Brasil teve, até junho de 2020, pelo menos 74 mil mortes a mais do que o esperado. É o que revela a análise do excesso de mortalidade no Brasil em 2020, do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass). Os dados constam em uma nova ferramenta divulgada pela entidade para auxiliar o acompanhamento dos impactos provocados pela Covid-19 no país. 

O instrumento levanta dados sobre óbitos por causas naturais reunidos no Registro Civil a partir de março deste ano e os compara com a projeção de mortes para o período. A Covid-19 não é necessariamente a causa direta do excesso de mortalidade. De acordo com o levantamento, o número de óbitos superior ao que era esperado para o período pode também ser reflexo indireto da epidemia. 

Entidades entregam Plano Nacional de Enfrentamento à Covid-19 ao Ministério da Saúde

Pico da pandemia no Brasil deve ocorrer em agosto, segundo a OMS

Covid-19: Aplicativo vai identificar pessoas próximas que testaram positivo para a doença

O estudo será atualizado periodicamente pela equipe do Conass. Toda a pesquisa é preparada por especialistas em epidemiologia, professores e pesquisadores de universidades, liderados tecnicamente pela organização global de saúde pública Vital Strategies. O acompanhamento dos indicadores de morte é uma estratégia recomendada pela Organização Mundial de Saúde

Foto: Arquivo/EBC

Leia mais

Leia também