Brasil continua fora do mapa da fome, diz relatório da ONU

Brasil segue fora do Mapa da Fome, segundo levantamento da ONU

Menos de 2,5% da população brasileira vive em situação de subnutrição. Foto: Divulgação/Ministério da Cidadania

O relatório “O Estado da Segurança Alimentar e Nutricional no Mundo”, publicado neste mês pela Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO), da ONU, mostrou que o Brasil continua fora do Mapa da Fome. Isso significa que menos de 2,5% da população brasileira vive em situação de subnutrição. O resultado positivo evidencia que o conjunto de políticas públicas adotadas pelo Governo Federal tem atendido de maneira satisfatória as necessidades das pessoas que se encontram em situação de vulnerabilidade social.

O Brasil vem empregando estratégias que combinam programas de transferência de renda e apoio à produção, abastecimento e acesso à alimentação. Entre as ações do Ministério da Cidadania, destacam-se os programas de Aquisição de Alimentos (PAA), de Cisternas e o de Fomento e Inclusão Produtiva Rural, que contribuem para melhoria dos índices de segurança alimentar e nutricional, e na ampliação das condições de produção, abastecimento, distribuição e consumo de alimentos adequados e saudáveis.

Apesar dos bons resultados obtidos no relatório, existe a preocupação com as consequências provocadas pela pandemia de Covid-19. Para mitigar esses efeitos, o Governo Federal intensificou as ações de proteção aos mais vulneráveis, conforme explicou o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni: “Serão executados R$ 500 milhões no PAA para atender cerca de 150 mil agricultores, possibilitando a doação de alimentos saudáveis para entidades da rede assistencial que, em todo o País, atendem milhões de famílias em situação de insegurança alimentar e nutricional. É parte da rede de proteção montada pelo governo por determinação do Presidente”.

O País também alcançou resultados positivos com o Auxílio Emergencial, que já beneficiou, direta e indiretamente, 125,4 milhões de pessoas – mais da metade da população brasileira. As cinco parcelas de R$ 600 ou R$ 1.200 reais fez com que não faltasse alimento nas mesas de milhões de famílias de todas as regiões do País, garantindo segurança alimentar e nutricional mesmo durante a grave crise provocada pela disseminação do novo coronavírus.

Além disso, foi sancionada, em junho, a Lei nº 14.016, que dispõe sobre o combate ao desperdício de alimentos. O texto autoriza estabelecimentos que atuem com produção e fornecimento de alimentos, incluindo os in natura, produtos industrializados e refeições prontas, a doarem o excedente que não foi comercializado, mas que ainda esteja próprio para consumo humano.

 

Leia mais

Reviravolta: partidos se unem em torno de Juvenal para a disputa contra Enivaldo

Para quem achou que com a saída de Marcelo Firmino da disputa eleitoral a situação estava resolvida, se enganou. A eleição tomou um rumo...

Municípios de todo o país vão receber doação de mais de 104 mil oxímetros

Equipes da Atenção Primária (APS) e das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) de todo o país vão receber a doação de 104.571 oxímetros de...

Dia do Administrador Hospitalar: “Não é uma profissão das mais simples, mas quando se consegue enxergar o resultado, é muito gratificante”, diz diretor do...

Nesta terça-feira (14), data em que se comemora o Dia de São Camilo de Lellis, é celebrado, também, o Dia do Administrador Hospitalar. Há sete...

Pesquisa revela crescimento da aprovação de Bolsonaro na Presidência

O presidente Jair Bolsonaro está com motivos para comemorar. Desde o início de sua gestão na Presidência da República, as taxas de aprovação ao...

Leia também