Brasil anuncia acordo para produção de vacina contra Covid-19

Equipe técnica do Ministério da Saúde

Coletiva de Imprensa com representantes do Ministério da Saúde
– Foto:
Carolina Antunesl/PR

O Ministério da Saúde anunciou o avanço no acordo de cooperação Brasil – Reino Unido para a produção de vacinas contra a Covid-19 e a transferência de tecnologia para o País. A informação foi dada durante coletiva de imprensa, neste sábado (27), no Palácio do Planalto. 

De acordo com o secretário-executivo da Saúde, Elcio Franco, o Governo Federal enviou resposta à embaixada Britânica e ao presidente do laboratório AstraZeneca aceitando a proposta de acordo de cooperação no desenvolvimento tecnológico e acesso do Brasil à vacina para Covid-19. Pelo acordo, estão previstas a compra de lotes da vacina e a transferência de tecnologia. 

Elcio ressaltou que o desenvolvimento da chamada vacina de Oxford está em estado avançado e se mostra uma das mais promissoras do mundo. “Isso coloca o Brasil numa situação de liderança mundial contra essa pandemia”, afirmou.

Ele explicou também que a transferência de tecnologia vai além do reconhecimento mundial brasileiro, pois possibilita a autonomia do País na produção. “Com a transferência da tecnologia teremos autonomia na produção”. 

Segundo o Ministério da Saúde, a previsão é de que as primeiras doses sejam disponibilizadas em dezembro deste ano e janeiro de 2021. A pasta explicou que, por essa razão, o acordo é dividido em duas fases. O ministério assumiu o risco da compra dessas primeiras doses (30 milhões de doses) mesmo sem demonstrada a eficácia. “O risco é necessário por conta do momento que vivemos e da urgência que temos da retomada de crescimento do País e de segurança pública”. 

Assim, a segunda fase do acordo prevê a encomenda de mais lotes (70 milhões de doses), no entanto isso vai depender da comprovação da eficácia e segurança da vacina para a população brasileira. Momento em que será disponibilizado para todo o País, priorizando os grupos de risco – idosos e pessoas com comorbidades de saúde, como problemas no coração, diabetes e outras doenças. 

A vacina é desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela AstraZeneca, sendo uma das mais promissoras no mundo. No Brasil, a tecnologia será desenvolvida pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), fundação do Ministério da Saúde.

O acordo

O acordo, quando celebrado, prevê a transferência de tecnologia de formulação, o envase e o controle de qualidade. Será utilizada a previsão legal de encomenda tecnológica prevista na lei nº 10.973, de 2004, e amparada na lei de licitações, a 8.666, de 1.993. O acordo tem duas etapas. Começa com uma encomenda em que o Brasil assume também os riscos da pesquisa. Ou seja, será paga pela tecnologia mesmo não tendo os resultados dos ensaios clínicos finais.

Em uma segunda fase, caso a vacina se mostre eficaz e segura, será ampliada a compra. Nessa fase inicial, de risco assumido, serão 30,4 milhões de doses da vacina, no valor total de U$ 127 milhões, incluídos os custos de transferência da tecnologia e do processo produtivo da Fiocruz, estimados em U$ 30 milhões. Os dois lotes a serem disponibilizados à Fiocruz, de 15,2 milhões de doses cada, deverão ser entregues em dezembro de 2020 e janeiro de 2021.

O Governo Federal considera que esse risco de pesquisa e produção é necessário devido a urgência pela busca de uma solução efetiva para manutenção da saúde pública e segurança para a retomada do crescimento brasileiro. Se a vacina for segura e eficaz e tiver o registro no Brasil, serão mais 70 milhões de doses, no valor estimado em US$ 2,30 por dose.

Com o acordo que será firmado, o Brasil se coloca na liderança do desenvolvimento da vacina contra o coronavírus. A iniciativa, assim, não apenas garante que o produto esteja à disposição, mas dará autonomia brasileira na produção.

 

 

Leia mais

Número de mortos nos protestos do Chile sobe para 11

O número de pessoas mortas em protestos contra o aumento das passagens de metrô no Chile aumentou para 11. A informação foi dada nesta...

Operação Pantanal diminuiu número de focos de incêndio de 163 para 40 em apenas uma semana, no Mato Grosso do Sul

O governo de Mato Grosso do Sul afirma que a Operação Pantanal II conseguiu diminuir de 163 para 40 o número de focos de...

Ministério da Saúde libera incentivo financeiro adicional para equipes de saúde

Uma portaria publicada na última semana (10) pelo Ministério da Saúde habilita municípios brasileiros a receberem incentivos financeiros adicionais para custear equipes de saúde...

Francisquense contaminado pelo novo coronavírus explica seu atual estado de saúde

Recentemente o franquisquense Luciano Carvalho Delogo vem passando por uma situação no mínimo constrangedora após ser...

Leia também

Motorista que aparece em vídeos fazendo manobra perigosa é filho da dona do carro

Homem tem 36 anos, mora com a mãe, está desempregado e recebendo auxílio emergencial. Imagens mostram o motorista fazendo a manobra conhecida como 'cavalo...

Capixaba viraliza na internet após fazer embaixadinha com pote de gel; veja o vídeo

Mateus é auxiliar de farmácia e foi flagrado pelas câmeras de videomonitoramento no momento em que "salvava" um pote de gel que caiu do...

Espírito Santo chega a 3.485 mortes e 118.218 curados com 128.265 casos confirmados de Covid-19

O Espírito Santo registrou, até esta quinta-feira (24), 3.485 mortes por Covid-19. O número de casos confirmados chegou a 128.265. O índice de letalidade...

Data dos desfiles do carnaval de Vitória será definida em reunião no próximo dia 15

"Os presidentes das escolas capixabas querem fazer carnaval, mas não sabemos se será em fevereiro ou se precisará ser em outra data", declarou o...