Bob Moses, líder do movimento dos direitos civis nos EUA, morre aos 86 anos


Por Daniel Trotta (Reuters) – Bob Moses, líder dos direitos civis que participou de algumas das principais campanhas por igualdade no Sul dos Estados Unidos nos anos 1960 e depois se tornou ativista que incentivou negros norte-americano a terem sucesso em matemática, morreu no domingo aos 86 anos, afirmou a Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor (NAACP, na sigla em inglês).

Moses é o mais recente líder do movimento negro daquela época a morrer no último ano, incluindo John Lewis, Vernon Jordan, C.T. Vivian, Charles Evers, e Gloria Richardson.

“Ele era um estrategista no coração dos movimentos por direitos eleitorais e além. Ele era um gigante”, afirmou Derrick Johnson, presidente da NAACP, pelo Twitter.

Criado no bairro do Harlem, em Nova York, Moses dava aulas de matemática no ensino médio quando viajou em 1960 ao Mississippi procurando pessoas para participar de uma conferência do Comitê Coordenador de Estudantes Não Violentos (SNCC, na sigla em inglês), segundo o portal virtual do Comitê, um site afiliado à Universidade de Luke que registra a história da organização.

Moses ajudou a colocar a promoção do registro de eleitores na agenda do Comitê e participou da linha de frente em muitas lutas no Sul, que frequentemente eram recebidas com violência.

Ele se mudou ao Canadá para evitar o recrutamento militar durante a Guerra do Vietnã em 1967 e depois viveu por muitos anos na Tanzânia, disse o Instituto de Pesquisa e Educação Martin Luther King Jr. da Universidade de Stanford.

Retornou aos Estados Unidos para completar um doutorado na Universidade de Harvard, na qual ganhou uma bolsa de “Gênio” da Fundação MacArthur, que ele usou para promover o Projeto Álgebra para melhorar as habilidades de matemática de crianças pobres.