Bloco de países latino-americanos rejeita sanções da União Europeia contra a Nicarágua


A Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América – Tratado de Comércio dos Povos (ALBA-TCP) rejeitou nesta terça-feira (3) as medidas coercitivas adotadas pela União Europeia (UE) contra autoridades nicaraguenses.

Em nota, o mecanismo de integração condenou as sanções adotadas pela UE contra a vice-presidenta da Nicarágua, Rosario Murillo; a presidenta do Supremo Tribunal de Justiça, Alba Luz Ramos; e o chefe da Assembleia Nacional (Parlamento), Gustavo Porras, informa a Prensa Latina.

Da mesma forma, o Conselho Europeu incluiu em sua lista unilateral de sanções a Procuradora-Geral da Nicarágua, Ana Julia Porras; os comissários da Polícia, Fidel Domínguez e Juan Antonio Valle; o assessor presidencial Bayardo Arce e o diretor do Canal 8, Juan Carlos Ortega Murillo.

A União Europeia culpou essas altas autoridades e funcionários por supostas violações dos direitos humanos. 

Nesse sentido, a ALBA-TCP exigiu o levantamento das medidas intervencionistas contra a nação centro-americana, ‘que de forma alguma contribuem para o desenvolvimento do povo nicaraguense’, destacou.

A Aliança também ratificou sua solidariedade com o Governo de Reconciliação e Unidade Nacional, o Presidente Daniel Ortega e a Vice-Presidenta Rosario Murillo, e apelou à comunidade internacional para defender a soberania, autodeterminação e independência política dos Estados.