Bloco de países latino-americanos e caribenhos anuncia criação de Banco de Vacinas para apoio mútuo


O secretário executivo do Acordo Comercial Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América (ALBA-TCP), Sacha Llorenti, anunciou nesta quarta-feira (3) a criação de um Banco de Vacinas para os países membros do bloco.

Entrevistado pela Telesul, Llorenti afirmou que a ALBA-TCP “vai na contramão do modelo neoliberal”, que faz de tudo uma commodity, assim como fizeram com a vacina contra a Covid-19, que a tornou “uma commodity da acumulação ”.

“O que a ALBA faz diante dessa necessidade é criar um Banco de Vacinas para que os países possam utilizá-lo em caso de necessidade, criou um fundo humanitário para os países do Caribe Oriental que fazem parte da aliança para que possam adquirir o vacinas, vacinas ”, disse o ex-embaixador da Bolívia na Organização das Nações Unidas (ONU).

O responsável deu o exemplo de que a China fez uma doação de vacinas para a Dominica, que lhe foram enviadas por uma ponte aérea da qual participou a companhia aérea estatal venezuelana Conviasa e apoiou o Banco ALBA.

“Mostramos com fatos que outras formas de relacionamento são possíveis”, reiterou.

Ele ressaltou que “a pandemia expôs como funciona o sistema neoliberal, as fragilidades do sistema multilateral e por que são necessários Estados fortes que priorizam a saúde”.

Llorenti destacou o bom controle da pandemia do coronavírus feito pela Venezuela, Cuba e Nicarágua. “São Estados que investiram em saúde, vão contra a lógica neoliberal. Precisamos de Estados fortes e de um sistema multilateral sólido que cumpra seus mandatos”, afirmou.

Mencionou que “outro tipo de relação entre Estados, entre povos é possível e a ALBA-TCP propõe um modelo diferente que deve ser replicado por outras instâncias em nível global”.

Sacha Llorenti em entrevista à Telesul

Sacha Llorenti em entrevista à Telesul (Foto: Alba/TCP)

Leia mais

Leia também