Black Friday movimenta comércio no Espírito Santo

O Procon do Espírito Santo fez alguns alertas para que, ao invés de vantagens, os compradores não acabem caindo em golpes ou tendo problemas futuros.

 

A Black Friday começou cedo para os moradores de Cachoeiro de Itapemirim, no Sul do Espírito Santo. Alguns consumidores já formavam uma extensa fila nas primeiras horas da manhã para aproveitar os descontos de até 70% oferecidos por uma loja.

Embora todos estivessem usando máscaras, os compradores estavam muito próximos uns dos outros, desrespeitando as orientações das autoridades sanitárias para evitar a proliferação do novo coronavírus.

Consumidores formam fila do lado de fora de loja em Cachoeiro de Itapemirim

Consumidores formam fila do lado de fora de loja em Cachoeiro de Itapemirim

O alerta feito pelas autoridades de saúde está sendo seguido no comércio da Grande Vitória. A maioria das lojas da capital permanecem sem filas na manhã desta sexta.

Na região da Glória, em Vila Velha, por exemplo, o movimento é tranquilo e as lojas têm poucos clientes.

Movimento é tranquilo nas lojas da Glória, em Vila Velha — Foto: André Falcão/TV Gazeta

Movimento é tranquilo nas lojas da Glória, em Vila Velha — Foto: André Falcão/TV Gazeta

O Procon do Espírito Santo fez alguns alertas para que, ao invés de vantagens, os compradores não acabem caindo em golpes ou tendo problemas futuros.

O diretor-presidente do Procon-ES, Rogério Athayde, destacou que a primeira dica para quem está pensando em comprar algo é começar a pesquisar os preços dos produtos antes da Black Friday, seja nos sites ou nas lojas físicas. O objetivo é constatar se realmente há desconto e se ele é vantajoso.

O risco de cair em golpes existe e, por isso, toda atenção é necessária. Segundo o Procon, uma fraude muito comum é a clonagem de sites, que ficam idênticos aos das lojas oficiais. Os fraudadores capturam os dados do cartão de crédito, números dos documentos e senhas do consumidor no momento em que ele pensa estar realizando a sua compra.

Outro golpe comum, de acordo com o Procon, está relacionado ao contato de golpistas por meio do envio de mensagens falsas ou ligações em nome de bancos. Nesses casos, os criminosos tentam confirmar os dados pessoais do consumidor com o pretexto de estabelecer acesso ou confirmar dados de pagamento.

Confira outras dicas para evitar fraudes e garantir uma compra segura:

  • Pesquise se existem muitas reclamações sobre a empresa nos órgãos de defesa do consumidor ou em sites de reclamações na internet;
  • Busque referências sobre o site e desconfie de preços muito abaixo do mercado;
  • Desconfie dos sites que oferecem como única forma de pagamento o depósito em conta corrente, transferência ou boleto bancário;
  • O consumidor também deve ter muita atenção nas compras realizadas pelo Instagram. Existem perfis falsos na rede social;
  • Para fugir de fraudes com boletos falsos, verifique sempre os dados do beneficiário e do pagador, pois eles precisam estar corretos para assegurar que o boleto é verdadeiro. Na dúvida, entre em contato com a empresa para maiores informações;
  • Instale no seu computador pessoal programas de antivírus e o firewall (sistema que impede a transmissão e/ou recepção de acessos nocivos ou não autorizados) e os mantenha atualizados;
  • Não faça as transações em computadores de uso público, garantindo a segurança dos seus dados pessoais e do cartão de crédito;
  • Antes da compra, observe os procedimentos e recursos adotados para garantir a segurança da transação. A política de privacidade adotada pelo fornecedor deve ser clara e explícita, assegurando que os dados pessoais e de consumo não sejam divulgados sem o consentimento expresso do consumidor;
  • Procure no site a identificação da loja (razão social, CNPJ, endereço, e-mail e telefone fixo). Caso ocorra algum problema, localizar a empresa será fundamental para a solução. Se o fornecedor não possuir essas informações, escolha outro e denuncie, pois a disponibilização dessas informações é obrigatória;
  • Procure informações sobre características, preços, valores de fretes, despesas adicionais, prazo de entrega ou execução, condições e formas de pagamento, antes de se decidir pela compra. Essas informações devem constar obrigatoriamente na página;
  • Os sites devem deixar claros os meios adequados para que o consumidor exerça o direito de “arrependimento de compra”, que é o cancelamento no prazo de até sete dias;
  • Ao confirmar a contratação, imprima ou guarde sob a forma digital todos os documentos que atestem a relação comercial, como número da compra, confirmação do pedido, comprovante de pagamento, contrato ou anúncios;
  • Exija a nota fiscal da mercadoria e guarde;
  • A qualquer sinal de irregularidade, entre em contato com o fornecedor para registrar a ocorrência e tente resolver o problema. Guarde os números de protocolo e os e-mails trocados com o fornecedor como garantia.

 

Leia mais

Leia também