Biden ordena a redução das tropas dos EUA no Oriente Médio


O presidente dos EUA, Joe Biden, ordenou ao Pentágono que retirasse parte de suas forças do Oriente Médio para dedicá-las às necessidades operacionais em outras partes do mundo, informou nesta quinta-feira (1) o The Wall Street Journal.

Em movimentos não relatados anteriormente, os Estados Unidos já moveram pelo menos três baterias antimíssil Patriot da área, incluindo uma da Base Aérea do Príncipe Sultão na Arábia Saudita, cuja missão nos últimos anos era proteger as forças dos EUA na área.

Segundo fontes consultadas pelo influente jornal, este plano é parte de um esforço para reorientar a presença militar global de Washington, que alguns especialistas interpretam como uma opção para fortalecer o teatro de operações nas proximidades da China, destaca a agência Prensa Latina.

Além disso, algumas capacidades, incluindo um porta-aviões e sistemas de vigilância, foram desviadas para outras regiões do mundo.

A mudança vêm em meio à recalibração de laços de todos os tipos com Riad, embora especialistas digam que Washington também está buscando fórmulas operacionais para proteger a Arábia Saudita dos ataques aéreos de seus adversários na região, acrescenta o influente jornal.

A eliminação das baterias Patriot, a presença permanente de porta-aviões e outras capacidades militares significa que vários milhares de soldados poderão deixar a região nos próximos meses.

No final de 2020, havia cerca de 50.000 militares norte-americanos na região, a partir de um pico de cerca de 90.000 no auge das tensões entre a administração Donald Trump e o Irã, há cerca de dois anos.

De acordo com o The Wall Street Journal, o Departamento de Defesa e funcionários do governo saudita não concordariam em fornecer detalhes sobre as reduções na capacidade da guerra americana na região.

Biden disse no início de fevereiro que poria fim à venda de armas e outros apoios à Arábia Saudita, elementos dos quais contribuem para seu envolvimento em uma guerra no Iêmen que ele chamou de ‘catástrofe humanitária e estratégica’.

Durante seu mandato, Trump rejeitou repetidamente os apelos para controlar os sauditas por seu envolvimento no conflito armado no Iêmen, bem como pelo assassinato do jornalista dissidente daquela nação árabe Jamal Khashoggi no consulado saudita em Istambul, Turquia.

Mas a ordem de Biden também acabou fornecendo ao governo saudita informações de inteligência e apoio logístico, outro aspecto da inversão do apoio dos EUA.

O presidente democrata também deixou claro que continuaria a vender armas defensivas para a Arábia Saudita que foram projetadas para protegê-la contra mísseis, drones e ciberataques por seus adversários na região.

Joe Biden

Joe Biden (Foto: KEVIN LAMARQUE/REUTERS/Direitos )

Leia mais

Leia também