Biden deve retirar as tropas americanas do Afeganistão até 11 de setembro


Reuters – O presidente Joe Biden planeja retirar as 2.500 tropas americanas restantes do Afeganistão até 11 de setembro de 2021, 20 anos após os ataques da Al Qaeda que desencadearam a guerra mais longa dos Estados Unidos, disseram autoridades americanas na terça-feira.

A divulgação do plano veio no mesmo dia em que a comunidade de inteligência dos EUA divulgou uma perspectiva sombria para o Afeganistão, prevendo chances “baixas” de um acordo de paz este ano e alertando que seu governo teria dificuldades para conter a insurgência do Talibã se a coalizão liderada pelos EUA retirar apoio.

A decisão de Biden perderia o prazo final de 1º de maio para a retirada acordada com o Talibã por seu antecessor Donald Trump. Os insurgentes ameaçaram retomar as hostilidades contra as tropas estrangeiras se o prazo fosse cumprido. Mas Biden ainda estaria definindo uma data de retirada de curto prazo, potencialmente dissipando as preocupações do Talibã.

O presidente democrata anunciará publicamente sua decisão na quarta-feira, disse a Casa Branca. Um alto funcionário do governo Biden disse que a retirada começaria antes de 1º de maio e poderia ser concluída bem antes do prazo final de 11 de setembro. Significativamente, não estará sujeito a outras condições, incluindo segurança ou direitos humanos.

“O presidente julgou que uma abordagem baseada em condições, que tem sido a abordagem nas últimas duas décadas, é uma receita para ficar no Afeganistão para sempre”, disse a autoridade, falando sob condição de anonimato, em uma entrevista coletiva a repórteres.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, e o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, devem discutir a decisão com os aliados da OTAN em Bruxelas na quarta-feira, disseram as fontes.

A decisão de Biden sugere que ele concluiu que a presença militar dos EUA não será mais decisiva para alcançar uma paz duradoura no Afeganistão, uma suposição central do Pentágono que há muito sustentou o envio de tropas americanas para lá.

“Não há solução militar para os problemas que assolam o Afeganistão, e vamos concentrar nossos esforços no apoio ao processo de paz em andamento”, disse o alto funcionário do governo.

O relatório da inteligência dos EUA, enviado ao Congresso, declarou: “Cabul continua a enfrentar contratempos no campo de batalha, e o Talibã está confiante de que pode alcançar a vitória militar”.

Ainda não está claro como a ação de Biden impactaria uma cúpula planejada de 10 dias a partir de 24 de abril sobre o Afeganistão em Istambul, que deve incluir as Nações Unidas e o Qatar.

O Taleban disse que não participará de nenhuma cúpula que tome decisões sobre o Afeganistão até que todas as forças estrangeiras tenham deixado o país.

O prazo final de 1º de maio já havia começado a parecer cada vez menos provável nas últimas semanas, dada a falta de preparativos no terreno para garantir que isso pudesse ser feito com segurança e responsabilidade. As autoridades americanas também culparam o Taleban por não cumprir os compromissos de reduzir a violência e alguns alertaram sobre as ligações persistentes do Taleban com a Al Qaeda.

Foram esses laços que desencadearam a intervenção militar dos EUA em 2001 após os ataques da Al Qaeda de 11 de setembro, quando sequestradores lançaram aviões contra o World Trade Center na cidade de Nova York e o Pentágono fora de Washington, matando quase 3.000 pessoas. O governo Biden disse que a Al Qaeda não representa uma ameaça à pátria dos EUA agora.

“Abandonar a luta”

O líder republicano do Senado, Mitch McConnell, acusou Biden de planejar “virar o rabo e abandonar a luta no Afeganistão”. Foi Trump, um republicano, que concordou com a retirada de 1º de maio.

“Retirar precipitadamente as forças dos EUA do Afeganistão é um grave erro”, disse McConnell, acrescentando que as operações antiterrorismo eficazes exigem presença e parceiros no terreno.

Atualmente, há cerca de 2.500 soldados americanos no Afeganistão, abaixo de um pico de mais de 100.000 em 2011. Cerca de 2.400 militares americanos foram mortos durante o conflito afegão e muitos outros ficaram feridos.

As autoridades no Afeganistão estão se preparando para a retirada.

“Teremos que sobreviver ao impacto disso e não deve ser considerado como uma vitória ou aquisição do Taleban”, disse uma fonte do governo afegão, falando sob condição de anonimato.

Embora sucessivos presidentes dos EUA tenham procurado se livrar do Afeganistão, essas esperanças foram confundidas por preocupações com as forças de segurança afegãs, a corrupção endêmica no Afeganistão e a resiliência de uma insurgência do Taleban que desfrutava de refúgio seguro na fronteira com o Paquistão.

O senador democrata dos EUA Bob Menendez, presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, disse que os Estados Unidos poderiam cortar a assistência financeira ao Afeganistão “se houver retrocesso na sociedade civil, os direitos que as mulheres conquistaram”. Sob o regime anterior do Taleban, os direitos das mulheres e meninas foram restringidos.

O senador democrata Jack Reed, presidente dos Serviços Armados do Senado, considerou a decisão muito difícil para Biden.

“Não existe uma resposta fácil”, disse Reed.

(Foto: REUTERS/POOL/Dave Martin)

Leia mais

Leia também