Biden aumenta cota de refugiados nos EUA para 62,5 mil


Reuters – O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse nesta segunda-feira, 3, que ressuscitou um plano para aumentar as admissões de refugiados este ano para 62.500, depois de receber uma onda de críticas de apoiadores por inicialmente manter o limite de refugiados em um nível historicamente baixo.

Democrata, Biden reverteu-se formalmente apenas duas semanas depois que seu governo anunciou que manteria o limite no nível de 15.000 estabelecido por seu antecessor republicano, Donald Trump.

Em um comunicado, Biden disse que sua ação “apaga o número historicamente baixo estabelecido pela administração anterior de 15.000, que não refletia os valores da América como uma nação que acolhe e apoia refugiados.”

“É importante tomar essa atitude hoje para remover qualquer dúvida remanescente nas mentes dos refugiados ao redor do mundo que têm sofrido tanto e que estão esperando ansiosamente pelo início de suas novas vidas”, disse ele.

Logo depois de assumir o cargo em janeiro, Biden prometeu intensificar o programa, mas depois surpreendeu os aliados quando optou por manter o limite inferior por preocupação de ser mal visto, dado o crescente número de migrantes que cruzam a fronteira sul dos EUA com o México, disseram funcionários dos EUA.

A cambalhota de Biden atraiu a ira de defensores dos refugiados e de alguns legisladores democratas.

Trump reduziu constantemente o tamanho do programa de refugiados durante seu mandato, e as autoridades ligadas a Biden dizem que os cortes dificultaram o aumento rápido das admissões.

Mas o programa de refugiados é diferente do sistema de asilo para migrantes. Os refugiados vêm de todo o mundo, muitos fugindo do conflito. Eles passam por uma extensa investigação enquanto ainda estão no exterior para serem liberados para a entrada nos Estados Unidos, ao contrário dos migrantes que chegam na fronteira dos EUA e então pedem asilo.

As alocações para o aumento do limite corresponderam a um plano anterior que Biden enviou ao Congresso, de acordo com um memorando assinado por Biden. O memorando disse que haveria 22.000 vagas para refugiados da África, 6.000 do Leste Asiático, 4.000 da Europa e Ásia Central, 5.000 da América Latina e Caribe e 13.000 do Sul da Ásia. Outras 12.500 vagas não alocadas também estarão disponíveis.

Biden disse ser duvidoso que os Estados Unidos sejam capazes de receber um total de 62.500 refugiados até o final do atual ano fiscal em 30 de setembro, ou atingir a meta de 125.000 internações no próximo ano.

“A triste verdade é que não chegaremos a 62,5 mil internações este ano. Estamos trabalhando rapidamente para desfazer os estragos dos últimos quatro anos. Vai demorar um pouco, mas esse trabalho já está em andamento”, afirmou.

Um funcionário da Casa Branca disse que Biden agora quer aumentar o limite, independentemente das limitações de capacidade para “enviar uma mensagem muito clara de que o processamento de refugiados é uma parte crítica do lugar da América no mundo”, reconhecendo que o anúncio inicial inferior “não enviava a mensagem certa”.

Atrasos na tomada de decisão de Biden sobre o assunto levaram ao cancelamento de centenas de voos para refugiados já autorizados a viajar para os Estados Unidos, muitas vezes depois de anos de espera, disseram grupos de refugiados.

Krish O’Mara Vignarajah, presidente da organização de reassentamento Lutheran Immigration and Refugee Service, disse em um comunicado que os grupos de defesa estavam respirando um “suspiro de alívio” após o anúncio na segunda-feira, embora atingir a meta elevada seria “assustador”.

Leia mais

Leia também