Belo Horizonte vai usar novo método para combater doenças transmitidas pelo Aedes aegypti

A Prefeitura de Belo Horizonte (MG) iniciou a liberação dos mosquitos Aedes aegypti com Wolbachia, em três áreas de abrangência da Regional Venda Nova: Copacabana, Jardim Leblon e Piratininga. O método Wolbachia é mais uma estratégia para o combate da dengue, zika e chikungunya, e o projeto em Minas Gerais é uma parceria com o Ministério da Saúde, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o World Mosquito Program (WMP Brasil).

Ministério da Saúde notifica 924.238 casos prováveis de dengue em 2020

44 milhões de domicílios brasileiros recebem atendimento de Equipes da Saúde da Família, aponta pesquisa

A liberação dos mosquitos faz parte da estratégia para o controle de arboviroses, doenças que são transmitidas por mosquitos. Na capital, a implementação da iniciativa será realizada em parceria com a Prefeitura de Belo Horizonte. Com recursos próprios, a prefeitura construiu uma biofábrica para a produção dos Aedes aegypti com Wolbachia, o que proporcionará maior sustentabilidade para o projeto na cidade, sendo o primeiro município do mundo a dispor desta estrutura própria. Esse método tem eficácia comprovada e é feito quando um microorganismo é inserido no mosquito e impede que as doenças seja desenvolvidas pelo Aedes aegypti.

Foto: Fiocruz (MG)


Leia mais

Leia também