Barragens: Vale assina termo de compromisso em MG

Compartilhe

A Vale<\/a> assinou Termo de Compromisso com o Governo de Minas Gerais<\/a>, órgãos reguladores e Ministérios Públicos Estadual e Federal para reforçar o compromisso em eliminar todas as estruturas alteradas a montante no Brasil, no menor prazo possível. 

O acordo traz mais segurança jurídica e técnica para o processo de descaracterização das 23 barragens a montante da empresa em Minas Gerais, uma vez que o prazo definido na Lei Estadual 23.291/2019 (25/02/2022) foi tecnicamente inviável, especialmente devido às ações necessárias para aumentar a segurança durante as obras. 

Pelo acordo, foi definida uma contrapartida de R$ 236 milhões para o Estado, recursos que serão aplicados para investimentos em projetos sociais e ambientais. A Vale acompanha as atualizações na legislação junto com o setor e órgãos competentes e seguirá cumprindo integralmente as determinações legais sobre o tema.

Desde 2019, sete estruturas a montante – quatro em Minas Gerais e três no Pará – foram eliminadas, das 30 mapeadas, praticamente 25% do Programa de Descaracterização da empresa. 
Para 2022, a Vale planeja a conclusão das obras e reintegração ao meio ambiente de mais cinco estruturas. Com isso, a Vale irá encerrar o ano com 40% das suas estruturas deste tipo eliminadas, o que representa que 12 de 30 barragens mapeadas já estarão descaracterizadas. 

Barragens: o que a ANM mudou nas regras<\/a>

Aço: produção mundial alcança 155 milhões de toneladas em janeiro<\/a>

Mineração: Presidente da CBPM elogia decreto do governo<\/a>

A atualização mais recente do Programa de Descaracterização indica que 90% das barragens deste tipo serão eliminadas até 2029 e 100% até 2035. As estruturas com maior prazo são aquelas de maior risco, mais complexas e que envolvem um volume de rejeitos maior. 

A eliminação das barragens a montante faz parte do processo de transformação cultural que a Vale vem passando desde o rompimento da barragem B1, em Brumadinho. Essa transformação também inclui a revisão de processos e práticas de gestão de barragens e rejeitos com destaque para a adoção do Padrão Global da Indústria para a Gestão de Rejeitos (GISTM, em inglês), que estabelece requisitos para a gestão segura de estruturas de disposição de rejeitos e tem o objetivo de evitar qualquer dano às pessoas e ao meio ambiente.
 

Barragem. Foto: José Cruz/Arquivo Agência BrasilBarragem. Foto: José Cruz/Arquivo Agência Brasil

Leia também

Acidente envolvendo um veículo e uma moto na saída de Barra de São Francisco para Colatina

Um acidente envolvendo um carro e uma moto foi registrado na tarde desta segunda-feira, 23 de maio de...

Rússia e China usam bombardeiros para dar recado militar a Biden

IGOR GIELOW SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A China e a Rússia deram um recado militar ostensivo aos...

Ministro defende aumento de bolsas de pesquisa em audiência na Câmara

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Paulo Alvim, defendeu hoje (25) a necessidade de ampliação do orçamento...

Mega-Sena acumula e próximo prêmio é estimado em R$ 65 milhões

Nenhum apostador acertou as seis dezenas do concurso 2483 da Mega-Sena, sorteadas na noite de sábado (21). Com isso,...

Decreto presidencial une estatais de infraestrutura e cria a Infra S/A

Decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro e publicado hoje (25) em edição extra do Diário Oficial da União...

Campanha Maio Amarelo chama atenção para transporte seguro

A Rodoviária do Rio, segundo terminal em movimentação de passageiros do Brasil, e mais oito terminais rodoviários do...

Varíola dos macacos: governo envia alerta aos serviços de saúde para identificação de casos suspeitos no Espírito Santo

  A Secretaria de Estado de Saúde do Espírito Santo (Sesa) enviará, nesta quarta-feira (25), uma espécie de recomendação...