Barra de São Francisco e Água Doce do Norte decretam toque de recolher, suspensão de ônibus e fechamento do comércio

As cidades de Barra de São Francisco e de Água Doce do Norte passaram a adotar, a partir desta quarta-feira (24), normas mais restritivas de isolamento social para o controle da Covid-19 em relação aos demais municípios do estado, que já vivem um período de quarentena determinado pelo governo estadual até 31 de março.

Entre as medidas mais duras impostas pelos decretos nessas duas cidades estão a determinação do toque de recolher para todos os moradores entre as 20 horas e as seis horas, a proibição da circulação de todos os ônibus e o fechamento de todo o comércio e da indústria.

Somente farmácias e supermercados estão autorizados a funcionar, mas, ainda assim, apenas por meio de entregas domiciliares (sistema delivery).

Em ambas as cidades, os decretos com as novas restrições permanecerão em vigor até as 6 horas da próxima segunda-feira (29).

As medidas foram anunciadas após a Secretaria de Estado de Saúde (Sesa) informar que Barra de São Francisco, assim como Piúma, no Sul do estado, é um dos epicentros da circulação da variante da B1.1.7 da Covid-19, que foi descoberta no Reino Unido e que já circula em 65 cidades capixabas. Trata-se de uma cepa mais agressiva e com maior potencial de transmissão.

Como Água Doce do Norte fica muito próxima à Barra de São Francisco (16 km de distância), a prefeitura da cidade também decidiu emitir o mesmo decreto. Confira o que determinam os decretos ponto a ponto:

  • Suspensão de todas as atividades do comércio e da indústria (somente farmácias e supermercados podem funcionar em sistema delivery);
  • Suspensão do transporte coletivo intermunicipal e municipal;
  • Determinação de toque de recolher para a população todos os dias entre as 20 horas e as 6 horas;
  • Serviços de assistência à saúde (médico e hospitalares), serviços públicos considerados essenciais, serviços de assistência social e serviços funerários podem funcionar normalmente.

Além das medidas já apontadas no decreto, o vice-prefeito e secretário de Saúde de Barra de São Francisco, Gustavo Lacerda, ainda acrescentou que os postos de combustível só poderão abastecer veículos oficiais durante a vigência do decreto na cidade.

Em entrevista à Maíra Mendonça, da TV Gazeta, nesta quarta-feira (24), Gustavo afirma que as novas restrições são necessárias para conter o avanço da pandemia. Segundo ele, 108 pacientes da cidade foram identificados com a variante B1.1.7 da Covid-19. Desse total, 20 ainda estão com o vírus ativo, ou seja, com alto potencial de transmissão.

“Nós precisamos paralisar toda a cidade para identificar e entrar em contato com essas pessoas para que elas possam ficar isoladas”, justificou Gustavo.

De acordo com os dados do Painel da Covid-19, atualmente Barra de São Francisco possui 2796 casos confirmados e 86 mortes provocadas pela doença. Segundo Lacerda, os números de doentes na cidade vêm crescendo em uma velocidade assustadora.

“Em uma sexta-feira atendemos 70 pacientes no nosso centro de especialidade para atendimento a pacientes suspeitos de Covid-19. Na segunda-feira, dia 15, já passamos a atender160 pacientes. É um número muito assustador. Fora isso, observamos que a doença está muito mais rápida em deixar o paciente clinicamente instável. O paciente já chega com comprometimento elevado do pulmão e isso tem nos assustado muito”, declarou.

A cidade ainda investiga a razão pela qual Barra de São Francisco tornou-se um dos epicentros da variante inglesa do coronavírus.

“Barra é um polo de venda de granito. Nós recebemos diariamente pessoas que vêm de outros países para visitar a cidade e comprar nossas rochas. Essa pode ser uma explicação”, apontou Gustavo.

Comércio está proibido de funcionar em Barra de São Francisco

Comércio está proibido de funcionar em Barra de São Francisco

Leia mais

Leia também