Balança comercial abre 2022 com superávit de US$ 1,45 bilhão na primeira semana de janeiro

Compartilhe

A balança comercial brasileira abriu o ano de 2022 com superávit de US$ 1,45 bilhão na primeira semana de janeiro. Na comparação com janeiro do ano passado, pela média diária, as exportações cresceram 56,3%, somando US$ 5,84 bilhões, e as importações aumentaram 16%, totalizando US$ 4,40 bilhões. Assim, a corrente de comércio aumentou 36%, alcançando US$ 10,24 bilhões, de acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia divulgados nesta segunda-feira (10/01).

Exportações

Na primeira semana do mês, houve crescimento de 131,7% nas exportações da Agropecuária, que somou US$ 939,05 milhões; de 25,6% na Indústria Extrativa, que chegou a US$ 1,49 bilhão; e de 58,8% na Indústria de Transformação, que alcançou US$ 3,38 bilhões.

Na Agropecuária, a expansão das exportações foi puxada, principalmente, pelo crescimento nas vendas de milho não moído, exceto milho doce (+48,1%); café não torrado (+61,7%) e soja (6.438,2%).

A Indústria Extrativa registrou aumentos das exportações de fertilizantes brutos, exceto adubos (+5,3%); minérios de alumínio e seus concentrados (+20,5%) e óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, crus (+144,2%).

Já as vendas da Indústria de Transformação foram impulsionadas pelos aumentos das saídas de carnes de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas (+94,2%); tabaco descaulificado ou desnervado (+291,5%) e óleos combustíveis de petróleo ou de minerais betuminosos, exceto óleos brutos (+135,2%).

Importações

As importações na primeira semana de janeiro registraram queda de 18,1% em Agropecuária, que somou US$ 85,01 milhões. Já a Indústria Extrativa teve crescimento de 130,5%, chegando a US$ 314,52 milhões nas compras externas, enquanto a Indústria de Transformação aumentou em 13,6% as importações, atingindo US$ 3,93 bilhões.

Do lado da Agropecuária, houve aumento nas compras de animais vivos, não incluídos pescados ou crustáceos (+151,4%); pescado inteiro vivo, morto ou refrigerado (+41,1%) e látex, borracha natural, balata, guta-percha, guaiúle, chicle e gomas naturais (+92,4%). A queda foi influenciada pela redução nas importações de trigo e centeio, não moídos (-12,5%); frutas e nozes não oleaginosas, frescas ou secas (-45,2%); e soja (-93,7%).

A Indústria Extrativa aumentou principalmente as importações de outros minérios e concentrados dos metais de base (+105,2%); carvão, mesmo em pó, mas não aglomerado (+431,3%); e gás natural, liquefeito ou não (+190,1%).

Já a Indústria de Transformação elevou as compras de óleos combustíveis de petróleo ou de minerais betuminosos, exceto óleos brutos (+49,2%); compostos organo-inorgânicos, compostos heterocíclicos, ácidos nucléicos e seus sais, e sulfonamidas (+81%); e adubos ou fertilizantes químicos, exceto fertilizantes brutos (+41,6%).

Balança comercial: o que é e qual a importância para os investimentos

A balança comercial é um termo que designa a diferença entre as exportações e as importações de um país. Se o país exportou mais do que importou entre um determinado período, a balança é considerada positiva, com superávit. Caso contrário, se importou mais do que exportou, o resultado será negativo, com déficit.

O Ministério da Economia, divulga dados da balança comercial em seu próprio site, além de gráficos comparativos, por meio de um projeto chamado ComexVis. De janeiro a novembro de 2019, o Brasil exportou cerca de US$ 205 bilhões e importou aproximadamente US$ 164 bilhões, gerando um superávit de US$ 40 bilhões.

Principais produtos exportados e importados pelo Brasil

As principais exportações do Brasil são:

  • Soja
  • Minérios de ferro e concentrados.
  • Óleos de petróleo ou de minerais betuminosos.
  • Açúcar de cana ou de beterraba e sacarose quimicamente pura.
  • Automóveis.

Já as principais importações são:

  • Partes e acessórios de automóveis.
  • Medicamentos
  • Circuitos integrados e microconjuntos eletrônicos.
  • Automóveis.

Usando a balança comercial para investir

A balança comercial é apenas mais um indicador econômico de uma região e diz muito sobre a situação de um país e seu risco de mercado, assim como acontece com o PIB. Claro que um país, ou algum segmento de commodities, por exemplo, tem mais propensão de crescer e fortalecer sua economia.

É por isso que a balança comercial é um fator a ser constantemente  analisado pelos investidores. No entanto, vale lembrar que outros quesitos devem ser analisados junto à balança comercial. O déficit ou o superávit sozinhos, não são indicadores complexos para uma tomada de decisão.

Leia também

Gabinete de Segurança Institucional recebe visita de parlamentares

O Ministro Augusto Heleno recebeu, na terça-feira (10/05),  uma comitiva composta pelos seguintes parlamentares: Deputado Paulo Eduardo Martins...

Pré-candidatos podem iniciar vaquinha virtual a partir de hoje

A partir de hoje (15), os pré-candidatos que vão disputar as eleições de outubro estão autorizados a realizar...

Famílias do sertão pernambucano são beneficiadas com poços movidos a energia solar

No esforço de levar água de qualidade às pessoas que sofrem com a seca, o GovernoFederal, por meio...

Mais de 1.000 presos são liberados para “saidinha” do Dia das Mães nesta quarta

Apesar do Dia das Mães ter sido celebrado no último domingo (08), 1.014 presos foram liberados para a...

Exponoroeste já tem 94 expositores pré-selecionados e lista de espera

A I Exponoroeste, que acontece de 25 a 29 deste mês no terreno onde será construída a nova...

Brasil discutirá maneiras de implementar mercado de crédito de carbono

O ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, fala hoje (17) sobre os desafios e estratégias de implementação do...