Bagdá: tanque de oxigênio explode em hospital contra a Covid-19 e mata 82 (vídeo)


Reuters – Um incêndio causado por explosão de um tanque de oxigênio em um hospital contra a Covid-19 em Bagdá matou 82 pessoas e obrigou algumas pessoas a pularem das janelas do prédio em chamas, disseram testemunhas e autoridades neste domingo.

Enquanto as equipes de resgate vasculhavam o prédio carbonizado, o primeiro-ministro Mustafa al-Kadhimi culpou a negligência e suspendeu seu ministro da Saúde, Hassan al-Tamimi, enquanto se aguarda um inquérito sobre o incêndio de sábado no hospital Ibn Khatib.

Cerca de 110 pessoas também ficaram feridas, disse o porta-voz do Ministério do Interior, Khalid al-Muhanna. A maioria dos mortos e feridos eram pacientes.

Já dizimado pela guerra e sanções, o sistema de saúde do Iraque tem lutado para lidar com a crise do coronavírus, que matou 15.257 pessoas e infectou mais de 1 milhão.

As forças de segurança isolaram o hospital, na área da Ponte Diyala na capital iraquiana, onde destroços carbonizados e vidros estilhaçados se espalharam pelo chão.

Conforme as chamas se espalharam no sábado, parentes lutaram para salvar seus entes queridos, com alguns saltando para um lugar seguro.

“Levei meu irmão para a rua. Depois vim (voltei) e subi até o último andar que não estava pegando fogo. Encontrei uma menina sufocada, com cerca de 19 anos … ela estava para morrer”, disse Ahmed Zaki disse à Reuters.

“Peguei ela nos ombros e desci correndo … Os médicos pularam nos carros. Todo mundo estava pulando. E continuei subindo dali, peguei as pessoas e desci de novo.”

“Evidência de negligência”

Enquanto muitos pacientes sobreviventes foram transferidos para outros hospitais, várias famílias ainda estavam fora do Ibn Khatib horas depois que o incêndio foi extinto, ainda procurando parentes.

Uma reunião de emergência do gabinete convocada por Kadhimi ordenou uma investigação com resultados devidos em cinco dias.

O governador de Bagdá e outro alto funcionário do ministério da saúde também foram suspensos e encaminhados aos investigadores.

“Tal incidente é evidência de negligência e, portanto, ordenei que uma investigação fosse iniciada imediatamente”, disse o primeiro-ministro em um comunicado, acrescentando que o gerente do hospital e os chefes de segurança e manutenção foram detidos.

Cansados ​​da violência política, os iraquianos também sofrem acidentes frequentes devido ao subinvestimento, corrupção e infraestrutura destruída. Durante a crise do coronavírus, os hospitais têm lutado contra um fluxo de pacientes e suprimentos escassos.

“Assim que você chegou na entrada principal (do hospital), foi sufocante. Ninguém conseguia subir”, disse outra testemunha, Mohammed Ali, 23, estudante que perdeu seu tio. “O hospital inteiro foi destruído, todo queimado.”

(Foto: Reuters)

Leia mais

Leia também