Aviões estadunidenses F-35 são usados nos bombardeios à Faixa de Gaza


O jornalista italiano Manlio Dinucci, especialista em conflitos militares, escreve que  os atuais bombardeios de Israel contra os palestinos na Faixa de Gaza são oficialmente o batismo de fogo do caça de quinta geração da empresa norte-americana Lockheed Martin, em cuja produção a Itália também participa como parceira de segunda linha.

Israel, que já recebeu 27 F-35 dos EUA, decidiu em fevereiro passado não comprar 50, mas 75. Para esse fim, o governo decretou uma alocação subsequente de 9 bilhões de dólares: 7 da ”ajuda militar gratuita de 28 bilhões concedida pelos EUA a Israel, e 2 concedidos como empréstimo pelo Citibank dos EUA. Enquanto os pilotos israelenses de F-35 são treinados pelos EUA Força Aérea, no Arizona, e Israel, engenheiros do Exército dos EUA em Israel estão construindo hangares reforçados especiais para os F-35s, adequados tanto para a maior proteção dos caças em terra, quanto para sua rápida decolagem quando eles forem para o ataque. Ao mesmo tempo, as indústrias militares israelenses (Israel Aerospace e Elbit Systems), em estreita colaboração com a Lockheed Martin, aumentam o poder do caça, rebatizado de “Adir” (Poderoso), acima de tudo em sua capacidade de penetrar nas defesas inimigas e seu raio de ação, que quase dobrou. Capacidades reconhecidamente desnecessárias para atacar Gaza. Por que então os caçadores de quinta geração mais avançados são usados ​​contra os palestinos? Porque servem para testar os F-35s e pilotos em ação de guerra real, usando as casas de Gaza como alvos do campo de tiro. Não importa se há famílias inteiras nas casas. 

Os F-35 A, que vêm além das centenas de caças-bombardeiros já fornecidos pelos Estados Unidos a Israel, são planejados para o ataque nuclear, em especial com a nova bomba B61-12 que os Estados Unidos, além de baseá-los em breve na Itália e em outros países europeus, também fornecerão a Israel, a única potência nuclear do Oriente Médio, com um arsenal estimado em 100 a 400 armas nucleares. Se Israel dobrar o alcance dos F-35s e receber 8 aviões-tanque Boeing Pegasus dos EUA para abastecimento em voo dos F-35s, é porque se prepara para lançar um ataque, inclusive nuclear, contra o Irã. As forças nucleares israelenses estão integradas no sistema eletrônico da Otan no âmbito do “Programa Individual de Cooperação” com Israel, país que, embora não seja membro da Aliança, está integrado numa missão permanente na sede da Otan, em Bruxelas. Na mesma estrutura, a Alemanha forneceu a Israel 6 submarinos Dolphin modificados para o lançamento de mísseis nucleares (conforme documentado pelo Der Spiegel em 2012).A cooperação militar da Itália com Israel tornou-se lei da República (Lei Nº 94, de 17 de maio de 2005). Ela estipula uma cooperação integral, seja nas forças armadas ou nas indústrias militares, incluindo atividades que permanecem secretas porque estão sujeitas ao “Acordo de Segurança” entre as duas partes. Israel forneceu à Itália o satélite Opsat-3000, que transmite imagens de altíssima resolução para operações militares em distantes teatros de guerra. O satélite está ligado a três centros na Itália e, ao mesmo tempo, a um quarto centro em Israel, como prova da colaboração cada vez mais estreita entre os dois países. A Itália forneceu a Israel 30 caças Leonardo Aermacchi para treinamento de pilotos.

Agora, a Itália pode oferecer a Israel uma nova versão, o M-346 FA (Fighter Attack), que – especifica Leonard – é usado tanto para treinamento como para “missões de ataque ao solo com munição de lançamento de 500 libras. E munição de precisão capaz de aumentar o número de alvos a serem atingidos simultaneamente”. A nova versão do caça – destaca Leonard – é particularmente adequada para “missões em áreas urbanas”, onde bombardeiros pesados ​​“costumam ser usados ​​em missões de baixa remuneração e altos custos operacionais”. O ideal para os próximos bombardeios israelenses sobre Gaza, que podem ser realizados com “um custo por hora de voo reduzido em até 80%”, e será muito “lucrativo”, ou seja, matará muito mais palestinos.

O artigo foi publicado em Resistência

(Foto: Reuters)

Leia mais

Leia também