Atores públicos e privados discutem atividade empresarial em Cariacica

Lideranças empresarias, entidades de classe e atores públicos de Cariacica fizeram uma reunião virtual, nesta quarta-feira (14), para conhecer a linha de crédito recém-lançada com recursos do Fundo de Proteção ao Emprego, operado pelo Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes).

A reunião, organizada pela Prefeitura Municipal de Cariacica, permite também que o empresariado local tire suas dúvidas e apresente suas demandas com vistas à manutenção e recuperação econômica, mesmo no cenário atual de pandemia.

Para o diretor-presidente do Bandes, Munir Abud de Oliveira, a forma de acesso facilitada ao financiamento deve ser uma prioridade. “A linha já nasce com taxa altamente competitiva e menos exigências burocráticas. Estamos ouvindo o empresariado para ajustar ainda mais esta linha aos anseios dos setores, para que ela cumpra seus objetivos de apoiar as empresas que tiveram sua existência ameaçada pela redução do fluxo de caixa, pela mudança do segmento em que atuam ou pela dificuldade de acesso ao crédito por causa de restrições”, explicou.

á o secretário de Estado da Ciência, Tecnologia, Inovação, Educação Profissional e Desenvolvimento Econômico, Tyago Hoffmann, afirmou que manter o diálogo constante com as empresas é essencial neste período. “Nesta reunião apresentamos o Fundo de Proteção ao Emprego, capital de giro, para as lideranças do município de Cariacica, firmando o nosso compromisso de trabalharmos juntos para que as medidas anunciadas pelo governador Renato Casagrande alcancem o empresariado de forma clara e equilibrada. A medida visa a mitigar os impactos da pandemia do novo Coronavírus (Covid-19) na economia capixaba e tem como propósito oferecer suporte às empresas que passam por diferentes situações e necessitam de crédito emergencial”, pontuou o secretário.

As medidas econômicas anunciadas recentemente pelo Governo do Espírito Santo vão dar suporte às empresas que passam por diferentes situações e que necessitam de crédito para superar este período. A linha de crédito emergencial, com capital de giro do Fundo de Proteção ao Emprego, tem recursos estimados em R$ 250 milhões e disponibiliza crédito de maneira desburocratizada, com juro zero e correção das parcelas pela Taxa Selic. O prazo total para a quitação do contrato é de até 72 meses, com prazo de carência de até 12 meses para que o empresário tenha um fôlego a mais e possa manter seu negócio.

Fundo de Proteção ao Emprego (FPE)

O FPE conta com recursos do Governo do Estado e um aporte inicial de R$ 250 milhões direcionados para financiar empresas que foram prejudicadas pela pandemia do novo Coronavírus (Covid-19). O diferencial da linha de crédito é a taxa de juros, praticamente inexistente, uma vez que os financiamentos apenas sofrerão correção pela taxa Selic

Atendimento on-line

Até o momento, o Bandes tem sido procurado por empresas de todos os portes para informações sobre a linha em todos os seus canais. Para acessar o crédito, o interessado deve entrar no site do banco e preencher um formulário que será remetido à instituição para cadastro e análise a partir do início das operações da linha.

A linha de financiamento do Fundo de Proteção ao Emprego poderá financiar capital de giro em condições bastante atrativas, com prazo de até 72 meses para pagar, incluídos 12 meses de carência. A linha é considerada sem juros, uma vez que o recurso financiado só tem correção pela taxa Selic.

Plano Espírito Santo — Convivência Consciente

O Fundo de Proteção ao Emprego é uma das iniciativas de enfrentamento que faz parte do Plano Espírito Santo – Convivência Consciente, um conjunto de ações envolvendo órgãos do poder público e do setor produtivo para promover o desenvolvimento econômico, priorizando as pessoas, para reduzir os impactos sofridos pela população capixaba em decorrência da pandemia da Covid-19. São previstos mais de R$ 32 bilhões em investimentos dos Governos Federal, do Estado e do setor privado até o final de 2022. A estimativa é de que sejam criadas mais de 100 mil vagas de emprego.

O Plano apresenta sete eixos de atuação: Desburocratização; Medidas Tributárias; Crédito e Financiamento; Monitoramento dos Impactos na Economia; Aceleração dos Investimentos Públicos e Privados; Inovação e Tecnologia e Geração de Emprego e Renda.

O Conselho Gestor do Plano Espírito Santo — Convivência Consciente é formado pelas Secretarias de Economia e Planejamento (SEP); Mobilidade e Infraestrutura (Semobi); Fazenda (Sefaz); Governo (SEG), Ciência, Tecnologia, Inovação, Educação Profissional e Desenvolvimento Econômico (Sectides), que vão acompanhar de perto a implementação das medidas previstas no Plano.

Informações sobre linhas de financiamento:
www.bandes.com.br
faleconosco@bandes.com.br

Leia mais

Leia também