Atobá-grande passa por tratamento no Iema

Um atobá-grande (Sula dactylatra) foi resgatado, nessa terça-feira (20), na região da Glória, em Vila Velha, e está em tratamento no Centro de Triagem e Reabilitação de Animais Silvestres (Cetras) do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema), em Cariacica. A ave é uma espécie que se reproduz no Arquipélago de Abrolhos, no sul da Bahia, não sendo comumente observada na costa capixaba.

Assim que resgatado, o atobá-grande foi avaliado pelos médicos-veterinários do Instituto de Pesquisa e Reabilitação de Animais Marinhos (Ipram), que operacionaliza o Cetras do Iema. Segundo os profissionais, a ave está magra, com piolhos e tem a asa direita caída. Porém, se apresenta ativa e se defende das pessoas com bicadas.

O atobá-grande tem hábitos oceânicos e, como não costuma frequentar a costa como outras aves marinhas, é provável que o problema que o animal tem na asa tenha causado dificuldades. “Essa espécie se alimenta mergulhando no mar para capturar peixes. É necessário estar em perfeitas condições de saúde para realizar essa atividade. O problema na asa com certeza prejudicou que o atobá se alimentasse e, por isso, ele tem emagrecido”, explicou o presidente do Instituto de Pesquisa e Reabilitação de Animais Marinhos, o veterinário Luis Felipe Mayorga.

A ave passará por exame radiográfico para descobrir qual o problema com a asa. “A princípio, estamos alimentando o atobá com uma vitamina de peixe triturado, pois ainda não come sozinho. A vitamina vai ajudar a reidratar e recuperar a saúde”, contou Mayorga.

O animal seguirá em tratamento até ter condições de voltar à natureza.


Leia mais

Leia também