Assembleia aprova pesquisa e cultivo da maconha medicinal no Rio

 

Lei quer facilitar o acesso de medicamentos à base de canabidiol

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou a realização de pesquisa e cultivo científico da maconha por associações de pacientes. A votação, simbólica, foi nesta quarta-feira (4), e agora depende de sanção do governador Wilson Witzel para virar lei.

Segundo o autor do projeto, deputado Carlos Minc (PSB), a proposta quer facilitar o acesso de medicamentos à base de canabidiol, princípio ativo da maconha, para pacientes que sofram de problemas de saúde somente reduzidos com o uso da substância.

“O Rio de Janeiro será o primeiro estado do Brasil que passará a ter, por lei, uma política de incentivo à pesquisa com a cannabis medicinal, que tem benefícios para várias doenças, como o câncer, a epilepsia e o Parkinson. A lei permitirá também fazer convênios com associações de pacientes, que hoje em dia, mesmo quando um juiz autoriza o plantio caseiro, para ter acesso ao óleo de canabidiol, às vezes as pessoas as denunciam, acham que é tráfico. Isso é importante para quebrar uma visão medieval e de estigma”, disse Minc.

O projeto especifica, em seus artigos 4º e 5º, como será o procedimento obrigatório para o cultivo da maconha pelos grupos interessados. “As associações de pacientes poderão realizar convênios e parcerias com instituições de ensino e pesquisas, objetivando apoio para análise dos remédios com a finalidade de garantir a padronização e segurança para o tratamento dos pacientes. As associações deverão contar obrigatoriamente com um profissional médico, farmacêutico e um fisioterapeuta para indicação, acompanhamento e tratamento dos pacientes associados”.

O relator do projeto, deputado Luiz Paulo (PSDB), ressaltou que já é de domínio público as propriedades da cannabis com fins medicinais e lembrou que a matéria só foi aprovada após muitas discussões na sociedade, envolvendo inclusive audiências públicas.

“Temos que acabar com o preconceito, fazendo com que as associações das pessoas que precisam da cannabis medicinal possam ter acesso à mesma através de convênios, com supervisão médica. Há medicamentos que são importados e poderão ser produzidos aqui, de forma muito mais barata”, disse Luiz Paulo.

Segundo o deputado, os grandes institutos sediados no Rio, incluindo universidades e fundações, agora poderão pesquisar legalmente os princípios e possíveis benefícios do cannabidiol. “Ninguém faz pesquisa clandestina”, disse.

FONTE: Agência Brasil

Leia mais

Obras de conserva e pavimentação continuam na região do Caparaó

A Secretaria da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag) continua trabalhando nos serviços de conservação corretiva...

O que ele quis esconder? vereador de Água Doce do Norte proíbe site local de fazer imagens da sessão

Na última sexta-feira (10), na câmara municipal de vereadores de Água Doce do Norte, aconteceu uma sessão ordinária, com participação dos 9 vereadores. De acordo...

OMS reconhece formalmente risco de transmissão do novo coronavírus pelo ar

Após pressão de cientistas, a Organização Mundial da...

Leia também

Após pisar em uma mulher em SP, PMs são afastados da função

Os policiais que aparecem nas imagens pisando e...

Os caminhos para trabalhar ou fornecer serviços na retomada da Samarco

A retomada das operações da Samarco, no Sul...

Após noite de festa, Adriano Imperador precisa de ajuda para sair de baile funk no Rio

Adriano Imperador foi filmado na manhã do último...

Operação em Guaíra apreende 500 caixas de cigarro contrabandeado do Paraguai

Carga estava em um caminhão que foi abandonado, após perseguição policial; ninguém foi preso. 1...