Assembleia aprova desconto em mensalidades proposto por Enivaldo dos Anjos devido à Pandemia

Deputado Enivaldo dos Anjos

Depois de uma longa tramitação e diferentes mudanças em seu texto original, a Assembleia Legislativa aprovou o projeto de lei que obriga escolas e faculdades particulares a conceder desconto de até 30% a seus estudantes durante o período de suspensão das aulas, devido à pandemia do novo Corona Vírus no Estado.

Com 26 votos favoráveis e apenas um contrário, o projeto é de autoria do deputado Enivaldo dos Anjos (PSD) em conjunto com outros parlamentares como Hudson Leal (Republicanos) e Rafael Favatto.

“Confesso que estou alegre. Nós hoje vencemos toda aquela pressão feita pelas faculdades, principalmente de medicina, e pudemos fazer uma discussão que deu dignidade ao Poder Legislativo e estabeleceu, através de cada comissão, um critério inteligente, satisfatório e mostrou que é uma Assembleia diferente”, disse Enivaldo após a aprovação do projeto.

Também de acordo com o autor, a decisão sinaliza uma verdadeira harmonia entre os parlamentares com o intuito de atender os anseios da população: “Estou muito feliz porque essa é a Assembleia que a tgente precisa ter. Hoje eu vi que temos condição de dominar o gigante – que não é tão feio e nem tão poderoso como parece”.

O texto final mantém um desconto de 30% nas mensalidades escolares durante o período da pandemia e prevê a celebração de acordos coletivos das empresas de ensino com pais de alunos diante da impossibilidade de conceder o desconto.

Nesse caso, a instituição deverá comprovar por meio de planilha e o acordo deverá contar com a intermediação do órgão responsável no Poder Judiciário Estadual ou Promotoria com atribuição em Direito do Consumidor do Ministério Público do Estado do Espírito Santo. Somente assim a empresa poderá aplicar um desconto inferior aos 30%.

No caso do acordo, a matéria determina que as instituições de ensino de grande porte (com receita bruta líquida anual superior a R$ 5 milhões) deverão manter o percentual de desconto de 30% independente da área em que atuarem (ensino infantil, fundamental, médio ou superior).

No caso das empresas de médio porte (com receita bruta líquida anual de mais R$ 1,8 milhão), elas poderão pleitear a redução do desconto, mas este terá que ser de pelo menos 20%.

Já as empresas de pequeno porte (com receita bruta líquida anual inferior R$ 1,8 milhões) deverão garantir um desconto mínimo de 10%. De forma similar, as microempresas da área de educação (com faturamento bruto de até R$ 360 mil, terão que manter o desconto de pelo menos 5%. Esse último item foi incluído para atender as cooperativas educacionais e similares.

O texto também determina que as instituições que demitirem funcionários sem justa causa durante a pandemia não poderão fazer o acordo coletivo para pleitear a aplicação de um desconto menor.

Na Comissão de Defesa do Consumidor, na sessão de segunda-feira (25), o parecer foi pela aprovação com mais uma emenda modificativa, esta, de acordo com o documento, para fazer um ajuste ao texto. A emenda a parte do texto que trata do acordo coletivo.

De acordo com a emenda, após a aplicação do desconto de 30% ou dos descontos escalonados de acordo com o faturamento da empresa, as instituições de ensino poderão buscar um acordo coletivo perante no Judiciário Estadual ou Ministério Público do Estado para a adoção de percentual de redução inferior, tendo eficácia somente após homologação, incluindo um representante dos alunos, pai de alunos e outro das escolas.

CPI

Retomando as críticas feitas às faculdades de medicina do Estado, Enivaldo dos Anjos voltou a anunciar que fará a convocação de empresários de instituições de ensino assim que forem retomadas as atividades presenciais da Assembleia Legislativa.

Segundo o deputado, as prestadoras de serviço estariam falhando ao cumprir com seus deveres enquanto concessões públicas de ensino por não apresentarem de maneira transparente o detalhamento de suas transações.

“Tem muito tempo que a população vem sofrendo na mão dessas faculdades de medicina e elas não têm a menor consideração com as pessoas. É tipo a saúde privada que se vc não tiver dinheiro, morre na porta. Tem faculdade como a de Vila Velha que a proprietária fica nas redes sociais insultando deputados. Vamos procurar saber como ela, uma faculdade daquele tamanho, conseguiu isenção de IPTU e ISS na nossa CPI”, disparou Enivaldo.

Além das faculdades de medicina, Enivaldo voltou a falar da venda da escola Leonardo da Vinci, estimada em mais de R$ 400 milhões. Para o deputado, os valores não seriam bem esclarecidos e os novos proprietários estariam distantes de cumprirem com seus deveres – novamente – de prestadores de um serviço de concessão pública, devido à falta de transparência do negócio.

 

Leia mais

Polícia apresenta resultado da “Operação Colheita” em São Gabriel da Palha e Vila Valério

Iniciou-se no dia 01 de maio em todo o território capixaba a “OPERAÇÃO COLHEITA 2020”. A atividade que é desenvolvida pela Polícia Militar do...

Lei assegura abertura de igrejas na pandemia

Já está em vigor a Lei 11.151/2020, que...

Governo disponibilizará R$ 50 milhões para financiar pesquisas de enfrentamento ao coronavírus

Coletiva de Imprensa no Palácio do Planalto sobre as ações de enfrentamento no combate ao Covid-19. ...

Avalanche capixaba: surfistas pegam ondas de 4 metros a 3km da orla no Espírito Santo

É uma onda complicada, que tem uma característica que fica abaixo do nível do mar - diz Lucas Medeiros, que no ano passado sofreu...

Leia também

Polícia Federal atuará junto a órgãos de segurança durante as eleições

A Polícia Federal e a Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública assinaram um Acordo de Cooperação Técnica para trabalharem...