Argentina amplia denúncia contra ex-presidente Macri por envio de armas à Bolívia em 2019


Sputnik A Argentina ampliou a denúncia apresentada aos tribunais pelos quais o ex-presidente Mauricio Macri, no poder entre 2015 e 2019, é acusado de contrabando agravado, devido ao fornecimento de armas à Bolívia durante o golpe de 2019, disseram à Sputnik fontes do Ministério da Defesa do Governo de Alberto Fernández. 

A atual gestão confirmou a descoberta de armas e munições na Bolívia, segundo diversas fotografias e outros documentos que atestam o fornecimento de 26.900 cartuchos de pellets de borracha; 47 gases aerossóis com características diferentes; 55 granadas de gás CN; Granadas de gás 53 H; 19 granadas de gás CS e 2 granadas de beisebol.

O lote de cartuchos de bala de borracha encontrados na Bolívia foram produzidos na Argentina pela estatal Fabricaciones Militares e transferidos para a Gendarmaria em novembro de 2018.

“O Executivo deduz que essas munições chegaram à Bolívia” através do desvio de parte das 70 mil balas de borracha que a Gendarmaria retirou do país em 12 de novembro de 2019 com o argumento de defender a Embaixada da Argentina naquele país, segundo o Portfólio de segurança.”Parte desse material foi encontrado em bolsas etiquetadas com ‘luvas’, mostrando o ato malicioso e malicioso de esconder seu verdadeiro conteúdo”, acrescentaram.

Diante desses elementos, o Governo argentino descarta que os cartuchos se destinassem a proteger sua sede diplomática na Bolívia, ou que fossem utilizados em exercícios de treinamento, como alegou posteriormente a Gendarmaria.

Remessa de armas

Em 12 de novembro de 2019, dia em que a senadora Jeanine Áñez (2019-2020) assumiu como presidente interina na Bolívia, o chefe do grupo de elite Alacrán de la Gendarmaria, Fabián Manuel Salas, enviou uma nota formal à Força Aérea comunicando que o voo do Hercules C-130, que sairia do país naquele dia com destino à Bolívia, transportaria 70 mil cartuchos calibre 12/70 AT, gás lacrimogêneo e granadas de mão.

“Esta nota mostra que o Ministro da Defesa [então Óscar Aguad] tinha plena consciência da transferência deste material adicional, que foi posteriormente desviado”, afirmam do Ministério da Segurança.

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais: 

 

(Foto: Reuters)

Leia mais

Leia também