AQUI NESTA ZONA NINGUÉM VAI FAZER BARULHO.

Certa época fui designado para trabalhar em uma Comarca do interior do Estado. Era ano de eleições municipais e uma juíza era a responsável pela Zona. A mulher era o bicho comendo mariola, ou seja, queria a todo custo colocar ordem no galinheiro.

Dentre tantas medidas amargas, a ilustrada magistrada proibiu a veiculação de veiculo de som, showmício, carreatas, etc. etc. O engraçadinho que ousasse desobedecer a decisão da juíza tinha o carro apreendido e era encaminhado para o xilindró.

A minha função da cidade era a de representante do Ministério Público, fiscal da aplicação da lei. Já que ninguém tinha coragem de brincar com a doutora, resolvi tentar um trote por telefone, duvidando de que a maior autoridade da Zona fosse enganada.

Disquei o numero da dita cuja e quando ela atendeu eu fiz voz de mulher. A conversa travada foi a seguinte:

-Alô doutora. Aqui quem esta falando é a Creuza, candidata a vereadora.

-Pois não Dona Creuza, em que eu posso lhe ser útil.

-O negócio é que a minha campanha esta fraquinha e eu queria colocar umas caixas de som na rua, mas me falaram que a Senhora não deixa.

-Não sou eu que não deixa. É a lei que proíbe este tipo de propaganda e a portaria que eu baixei retrata o que esta na legislação. Mas, todos os partidos foram avisados e estão cientes das proibições durante a campanha eleitoral.

-É que o meu empresário contratou o Luan Santana para cantar aqui sábado e a minha campanha vai bombar.

-O Luan Santana pode cantar o que ele quiser, porém, se falar o número de qualquer candidato vai preso ele, o candidato, a mãe do candidato, todo mundo. A policia foi avisada e esta de prontidão.

-Doutora, a Senhora conhece o Doutor Creumir?

-Sim. Por quê?

-É que eu fui até a promotoria para falar com ele. A moça falou que ele não estava. Eu conversei com o assessor dele e o rapaz me disse que a Senhora não manda nada. Disse que era para eu colocar o trio elétrico na rua e deixar o Luan Santana agitar a galera.

-Dona Creuza. Quem não manda nada é o promotor. Eu sou a juíza eleitoral e querendo ou não a responsabilidade para decidir é minha. O som de rua, carreata, showmício e correlatos estão proibidos. Caso encerrado. A Senhora faz o que achar melhor e espera para ver se a policia vai agir ou não.

Voltei com a minha voz natural e perguntei a maior autoridade da Zona se ela iria prender todo mundo mesmo. Quando viu que era um trote a mulher virou uma cobra, batendo com o telefone na minha cara.

 

Texto: Creumir Guerra
Creumir Guerra é Promotor de Justiça no Estado do Espírito Santo

Veja mais sobre Creumir Guerra

Leia mais

Leia também