Após pedido de Freitas, Operação Colheita começa nesta sexta-feira (21)

A Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Sesp), dará início à “Operação Colheita” nesta sexta-feira (21), na região Norte capixaba.

O Projeto de Indicação do deputado estadual, Freitas (PSB), protocolado em fevereiro de 2019 e aprovado na Assembleia Legislativa, faz um alerta sobre o aumento da criminalidade nos municípios produtores e a operação vai até novembro.

O governador Renato Casagrande (PSB), fará o lançamento da Operação Colheita em encontro marcado para 9 horas, no Centro de Eventos Casa de Vidro, que fica na Praça Aurélio Bastianello, em São Gabriel da Palha. Além de Casagrande e Freitas, participam do lançamento o secretário de Segurança, Alexandre Ramalho, o secretário de Agricultura, Paulo Foletto, prefeitos, vereadores, comerciantes, agricultores, pecuaristas e moradores da região Norte.

De acordo com a Sesp, a operação consiste em reforçar o policiamento ostensivo da região rural onde os crimes mais ocorrem. É realizado um policiamento com base na filosofia da Polícia Comunitária, na qual há um estreitamento da relação entre moradores do meio rural com os policiais de serviço.

O primeiro pedido do deputado Freitas para a realização da Operação Colheita se deu em 2015. Com a troca de governo, em 2019, Freitas protocolou novamente o Projeto de Indicação solicitando a implantação da Operação Colheita, que tramitou na Casa, foi aprovado e, após reuniões do deputado com o governador e com o secretário Ramalho, está sendo atendido com as ações policiais que começarão a partir desta sexta no Norte.

“A insegurança na área rural está tirando a tranquilidade dos moradores do campo e dos produtores de café, principalmente, que têm sofrido com a ação de criminosos, que chegam encapuzados e armados nas fazendas, rendem os moradores e furtam ou roubam carretas de café, deixando para trás um misto de medo e pavor, além de prejuízos pra quem produz”, sublinhou Freitas.

Migrantes

Os municípios produtores recebem durante a colheita grande número de trabalhadores vindos de todas as regiões do País. São migrantes temporários, que vêm para trabalhar na lavoura como apanhadores de café.

“Durante a colheita de café, cana-de-açúcar, abacaxi e outros cultivos no Espírito Santo, entre os meses de maio e novembro, constata-se um sensível aumento da migração de pessoas, da circulação de mercadorias e de dinheiro nas regiões produtoras do Estado. Em consequência disso, há considerável incremento das ocorrências delituosas, em especial aquelas relacionadas ao patrimônio”, confirmou o secretário de Segurança, Alexandre Ramalho.

Segundo ele, com a Operação Colheita a Polícia Militar objetiva aumentar a sensação de segurança na zona rural dos principais municípios produtores do Estado, propiciando uma maior interação com a comunidade local. Haverá intensificação das abordagens a veículos e pessoas e operações da Polícia Militar em parceria com outros órgãos, tais como a Secretaria de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag) a Secretaria da Fazenda e a Polícia Civil.

O custo da operação, no período de maio a novembro de 2021, somente com pagamentos de Indenização Suplementar de Escala Operacional (ISEO), está orçado em R$ 1.496.277,36.

A Sesp salienta, por fim, que o reforço do policiamento ostensivo na Operação Colheita não implica em diminuição do efetivo empregado nas áreas urbanas, uma vez que o recurso humano utilizado está em horário de folga e o empenho se dá por ISEO.

Freitas lembra que, caso ainda venha a ocorrer alguma ação criminosa, as fronteiras vigiadas estarão impedindo a fuga e a comercialização criminosa do produto roubado.

A operação sugerida pelo deputado Freitas tem semelhanças com a denominada “Operação Verão”, onde o Estado realoca policiais militares e civis para reforço da segurança da população durante o verão, quando as cidades litorâneas recebem muitos turistas.


Leia mais

Leia também