Anvisa determina suspensão cautelar do fungicida Carbendazim

Compartilhe

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou, nessa terça-feira (21), a suspensão cautelar da importação, produção, distribuição e comercialização do ingrediente ativo Carbendazim e seus produtos técnicos, até a conclusão do processo de reavaliação toxicológica. O Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf) enviará nota técnica às revendas agropecuárias, orientando quanto à nova medida. Os produtores não podem comprar o fungicida a partir desta quarta-feira (22).

Os aspectos toxicológicos que motivaram a reavaliação do Carbendazim são as suspeitas de mutagenicidade, carcinogenicidade, toxicidade para o desenvolvimento e toxicidade reprodutiva, que vêm sendo pesquisadas pela Anvisa desde 2019. Segundo informações do órgão, a reavaliação pode levar ao banimento do produto ou à sua manutenção no mercado, com a adoção de medidas para reduzir os riscos decorrentes do seu uso. Em alguns casos também pode ser decidido por manter o produto no mercado sem nenhuma nova recomendação. A conclusão do julgamento do caso pela Anvisa está prevista para agosto. 

O Carbendazim está entre os 20 agrotóxicos mais utilizados no Brasil. Atualmente, existem 38 produtos formulados e 29 produtos técnicos à base da substância com registro ativo no Brasil.

O subgerente de Inspeção e Fiscalização Vegetal do Idaf, Marcio Gama, informou que, no Espírito Santo, há registro de cerca de 20 produtos que utilizam o Carbendazim em sua formulação. “Eles são utilizados em lavouras de citros, cana-de-açúcar, feijão e milho, por exemplo. A nota técnica da Anvisa não restringe o uso pelos produtores que já estão de posse do produto. Entretanto, sugerimos que avaliem os riscos a que, eventualmente possam se expor, dada a reavaliação que está sendo conduzida”, afirmou.

Segundo Gama, as lojas que forem flagradas comercializando o produto durante o período de suspensão podem ter o registro de comerciante de agrotóxicos suspenso, além de estarem passíveis de multa. O profissional que prescrever o produto também pode ser multado. Os valores podem chegar a, aproximadamente, R$ 21 mil.

Em caso de dúvidas, os responsáveis por revendas agropecuárias podem enviar e-mail para agrotoxico@idaf.es.gov.br.

 

Leia também

Francisquense Arlinda Rosa de Jesus comemora 100 anos de idade

https://ocontestado.com/wp-content/uploads/2022/07/VID-20220703-WA0017.mp4 Neste domingo, dia 03 de julho de 2022, a equipe do cerimonial LUGAR DE FESTA de Barra de...

Espírito Santo registrou 260 casos de estupro contra crianças nos primeiros 5 meses de 2022

De janeiro a maio deste ano, o Espírito Santo registrou 260 casos de estupro contra crianças de 0...

Alegre disputa título capixaba da Copa Sesport e reanima torcedor depois de 20 anos

Sem ter alegria há 20 anos, desde que o Alegrense sagrou-se bicampeão capixaba de futebol profissional (2001 e...

Preço da energia, vacina da gripe, economia verde, micro e pequenas empresas e sistema financeiro

No episódio desta semana (01), o podcast Giro Brasil 61 traz um dado que pesa no bolso do...

Garoto comemora aniversário no Corpo de Bombeiros de Nova Venécia

  O pequeno Gabriel Pessoa Oliveira completou seis anos de idade neste último domingo, dia 03, e a comemoração...

Nesta sexta feira tem o ‘Arraiá do Albano’ na escola da Vila Vicente

Nesta sexta-feira (08), acontece a Festa Cultural, Arraiá do Albano, às 18 horas, na escola municipal Sebastião Albano,...

Homem morre em acidente na BR-101 a caminho de comemoração pelo aniversário da esposa

  Carro que a vítima dirigia bateu com uma carreta na altura do km 313,2 da rodovia Um homem de...