Analistas chineses dizem que liderança climática dos EUA está em questão na próxima cúpula


Entre a China e os EUA assinando uma declaração conjunta para lidar com a crise climática na semana passada e a cúpula do clima virtual do presidente Joe Biden para divulgar as políticas verdes de seu governo nesta semana, o diplomata norte-americano Antony Blinken disparou sinais rudes para instar Washington a assumir a liderança no campo de energia verde em um movimento para combater a China, escreve Por Zhao Yusha no Global Times

Os sinais contraditórios dados por Washington em relação à cooperação climática China-EUA expõem sua “ansiedade” em relação ao papel de liderança da China no campo da energia limpa, disseram analistas chineses. Eles exortaram os EUA a descartar sua mentalidade de Guerra Fria no que diz respeito à cooperação climática. Caso contrário, arrastará a mudança climática, um dos poucos campos em que os dois países podem cooperar, para um impasse e também levará a uma redução ainda maior das relações, já desgastadas, alertaram. 

Na segunda-feira (19), o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, disse que “é difícil imaginar os Estados Unidos vencendo a competição estratégica de longo prazo com a China se não pudermos liderar a revolução das energias renováveis. No momento, estamos ficando para trás”. 

Sua declaração foi feita dois dias depois que o enviado especial dos EUA para o clima, John Kerry, concluiu sua visita de três dias à China, onde se encontrou com seu homólogo chinês Xie Zhenhua, durante a qual os dois emitiram um comunicado conjunto sobre como enfrentar juntos a crise climática. 

Parece que o tom positivo da declaração conjunta não é suficiente para alguns políticos americanos renunciarem a uma linha competitiva, ou mesmo hostil contra a China em questões climáticas, disse Li Haidong, professor do Instituto de Relações Internacionais da China Foreign Affairs University ao Global Times.

“Isso reflete a ansiedade dos EUA em relação à China na questão climática. Washington esperava que sua reentrada nos círculos climáticos globais lhe conferisse liderança neste campo, e foi somente quando os EUA retornaram à estrutura climática global que perceberam o quão grande é a distância em relação à China em termos de economia verde”, disse Li. 

O discurso de Blinken serviu como uma introdução antes de Biden receber praticamente 40 líderes mundiais nesta semana para uma cúpula global sobre mudança climática, prevista para ocorrer em 22 e 23 de abril. A China ainda não deixou claro se seus líderes participarão. 

Em seu encontro virtual com a chanceler alemã Angela Merkel e o presidente francês Emmanuel Macron na sexta-feira (16), o presidente chinês Xi Jinping reiterou a meta da China de atingir um pico de emissões de dióxido de carbono até 2030 e atingir a neutralidade de carbono até 2060. 

Na corrida para enfrentar o desafio climático, a China tem vantagem sobre os EUA em termos de redução dos custos de P&D de energia renovável, capacidade de fabricação e desenvolvimento de alta tecnologia, disse ao Global Times na terça-feira (20), Yang Fuqiang, consultor sênior sobre mudança climática, energia e meio ambiente no National Resources Defense Council, um grupo ambientalista com sede nos Estados Unidos; 

As empresas chinesas reagiram positivamente à meta de neutralidade de carbono do país. A empresa de tecnologia Tencent lançou um plano de neutralidade de carbono em janeiro deste ano, com Pony Ma Huateng, fundador e CEO da Tencent, prometendo explorar a aplicação da ciência na redução de emissões. 

A gigante da tecnologia Huawei apoiou o Ningxia Baofeng Energy Group na construção de um sistema de energia solar em 2016, que segundo se estima reduziu as emissões de dióxido de carbono em 2,047 milhões de toneladas, o equivalente ao plantio de cerca de 89 milhões de árvores. 

A China tem uma clara liderança em termos de tecnologia subjacente, com mais de 150.000 patentes de energia renovável em 2016, 29 por cento do total global. O país mais próximo são os EUA, que tinham pouco mais de 100 mil patentes, segundo relatório de 2019 da Comissão Global de Geopolítica da Transformação Energética, criada pela Agência Internacional de Energia Renovável.

Pequim tem aumentado constantemente a energia renovável e o desenvolvimento da economia verde, enquanto os Estados Unidos têm se prejudicado na corrida climática devido ao seu recuo da estrutura climática global nos últimos quatro anos, disse ao Global Times Lü Xiang, pesquisador de estudos americanos da Academia Chinesa de Ciências Sociais em Pequim. 

Ele disse que, ao agradar aos líderes mundiais que participem da cúpula organizada pelos EUA, o governo Biden quer fortalecer sua liderança global nesta questão, o que novamente coloca os EUA e a China no mesmo anel competitivo. 

“O discurso de Blinken conota um sinal de que em algum momento se achar difícil competir com a China neste campo, os EUA podem novamente usar a arma de sanções para atingir nossos setores de economia verde”, disse Lü, alertando que se os EUA seguirem adiante sobre isso, vai colocar em risco a cooperação climática e exercer um forte golpe nas relações bilaterais, que já estão desgastadas por questões como comércio e direitos humanos. 

O discurso de Blinken que liga a China à revolução da energia verde dos EUA visa reprimir as vozes da oposição dentro dos EUA e envia um sinal aos opositores de que é hora de se unir e competir com a China, disse Li. 

Na semana passada, Biden convidou um grupo bipartidário de legisladores para discutir seu plano de infraestrutura de US $ 2,3 trilhões, que se concentra em energia limpa. Os legisladores republicanos se opõem ao tamanho e ao escopo do plano de Biden e têm a agenda climática do presidente em sua mira, informou a mídia dos EUA. 

Lü destacou que alguns republicanos temem que abandonar o combustível fóssil prejudique a competitividade dos EUA e reduza o emprego. “Ao contrário da China, que tem um sistema consistente e suave para implementar ordens de cima, a ambição dos EUA de impulsionar uma revolução na energia verde pode ser atenuada por seu bipartidarismo.” 

Analistas chineses disseram que, embora o gesto aparentemente ativo dos EUA na arena climática global tenha rendido alguns aplausos, alguns na comunidade global ainda estão cautelosos em recebê-lo de volta. Seus frequentes recuos anteriores e retornos à estrutura climática global diminuíram muito os esforços globais no combate à mudança climática, e a imprevisibilidade da política do próximo governo dos Estados Unidos está restringindo potenciais parceiros climáticos, disseram eles. 

“Os próprios EUA são a maior incerteza nos esforços globais para conter a mudança climática, então é difícil ver se Biden pode corresponder às expectativas de assumir a liderança global por meio da cúpula”, disse Li. “Ele pode armar o palco, mas é difícil dizer quem desempenha o papel principal.”

(Foto: Diário do Povo)

Leia mais

Leia também