Amazonas aumenta arrecadação de ICMS enquanto Congresso tenta incluir imposto na reforma tributária

Os estados brasileiros perderam, em média, 18% da arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no segundo trimestre de 2020, na comparação com o mesmo período do ano passado. O Amazonas, no entanto, foi no sentido contrário no recorte dos seis primeiros meses deste ano, quando arrecadou R$ 6,4 bilhões. O valor é 6,5% maior do que o notado no mesmo período de 2019, quando a quantia registrada foi de R$ 6,1 bilhões. Os dados são do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz).

Diante desse quadro envolvendo a situação dos estados sobre a arrecadação do ICMS, a comissão mista da reforma tributária avança na tentativa de criar um texto único com prontos que aperfeiçoem o sistema de arrecadação de impostos no Brasil. A maioria dos parlamentares que compõem o colegiado defendem um texto amplo, com abrangência de tributos federais, estaduais e municiais.

Nesse sentido, o texto inicial enviado pelo governo federal ao Congresso Nacional não alcançou as expectativas dos congressistas, que avaliaram a proposta como “tímida”. A matéria em questão é o PL 3887/20, baseado na unificação do PIS com a Cofins para criação da Contribuição Social sobre Movimentação de Bens e Serviços (CBS). Entre os principais pontos do projeto estariam o cálculo da CBS “por fora” e ainda a exclusão dos valores da própria CBS e do ICMS de sua base de cálculo.

O deputado federal Sidney Leite (PSD-AM) entende que o atual sistema de arrecadação gera muitas dúvidas ao contribuinte, além de ter um processo lento e caro para as empresas. Por isso, o parlamentar defende que a reforma tributária seja mais justa e não onere a população.

“Entendo que isso (modelo atual) contribui muito para evasão fiscal. Considero que a simplificação tributária, onde for possível reduzir a carga de impostos, facilitaria muito para que os investidores, para os que empreendem nesse país, pudessem fazer mais investimentos e gerar emprego e renda”, pontua.

O presidente do Comitê Nacional de Secretários de Fazenda, Finanças, Receita ou Tributação dos Estados e do Distrito Federal (Comsefaz), Rafael Fonteles, também se manifestou sobre o assunto. Ele acredita que estabelecer as mudanças necessárias é uma tarefa difícil, mas ressalta que as discussões não podem deixar de considerar a relevância que o ICMS representa para os estados.

“Nos concentramos na tributação sobre o consumo, que é a principal expertise dos estados, dado que o ICMS é o principal tributo sobre consumo do País, de maior arrecadação, de maior importância, e ele é de competência dos estados. Não achamos que seja possível melhorar, de fato, o sistema tributário se não se envolverem todos os tributos sobre consumo de uma só vez”, destaca Fonteles.

Propostas mais amplas

Diferentemente do que propõe o PL 3887/20, com a unificação apenas do PIS com a Cofins, outras duas matérias em análise na comissão mista da reforma tributária são consideradas mais eficientes, pois sugerem a junção de mais impostos, sendo eles federais, estaduais e municipais.

Uma delas é a PEC 45/2019, que acaba com cinco tributos: IPI, PIS e Cofins, de arrecadação federal; ICMS, dos estados; e ISS, de cobrança municipal. Em substituição, seriam criados o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS) e o Imposto Seletivo (IS).

Brasil encontra momento favorável para aprovar reforma tributária, afirma presidente do Comsefaz

Reforma tributária com IVA Dual ameniza perda de recursos de estados e municípios, defende deputado Luis Miranda

Ampliação do gasto fiscal torna reforma tributária mais urgente, diz deputado Aguinaldo Ribeiro

A segunda é a PEC 110/2019, discutida por senadores, que extingue 10 tributos: IPI, IOF, CSLL, PIS, Pasep, Cofins e Cide Combustíveis, de arrecadação federal; o ICMS, de competência dos estados; e o ISS, de âmbito municipal, além do Salário-Educação. Em substituição, cria o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS) e o Imposto Seletivo (IS).

Relator da reforma tributária na comissão mista, o deputado federal Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) tem se manifestado a favor de um texto que preze pela simplificação do sistema tributário. Além disso, o parlamentar também tem cobrado que a proposta não aumente a carga de impostos para a população.

“Não dá para tratar da tributação sobre o consumo sem enfrentar a legislação e a complexidade do ICMS, que traz profundas distorções ao nosso sistema tributário. O segundo ponto que eu queria também destacar é não aumentar a carga tributária como princípio de uma reforma tributária. Então, nesse sentido, eu quero dizer que essa também tem sido a nossa convicção”, destaca.

A arrecadação e a partilha, em ambos os textos, seriam únicas para União, estados, municípios e Distrito Federal. Dessa forma, a cumulatividade de cobrança seria extinta, incidindo apenas no estado de destino do produto fabricado.

A fórmula de arrecadação do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), de competência dos estados, também deve ser revista pelos parlamentares da comissão mista da reforma tributária. A princípio, a ideia de deputados e senadores é agregar essa tributação ao IBS, com alíquota padronizada em todos os entes da federação, com parte do valor flexível e sob competência dos estados, como prevê o texto da PEC 45/2019.

Foto: Arquivo/EBC

Leia mais

Campanha contra gripe supera meta de vacinação do público-alvo

Ministério da Saúde ultrapassa meta de vacinação do público-alvo Foto: Banco de Imagens O Ministério da Saúde informou que a Campanha Nacional de Vacinação contra...

Programa Monitor de Seca avaliará estiagem em 14 estados e DF

A Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) publicou resolução que institui o Programa Monitor de Secas para acompanhar a falta de chuva...

PF faz operação contra fraudes no auxílio emergencial e investiga ameaças ao presidente da Caixa

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta quarta-feira...

Leia também

PL em tramitação na Câmara exige registro no Siafi de todas as transferências da União a estados e municípios

Em tramitação no Congresso Nacional, o Projeto de Lei 4171/20 estabelece a obrigatoriedade de registro no Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), do governo federal,...

Goleiro veneciano acerta com o Bahia

O Bahia anunciou nesta terça-feira (22), a contratação do goleiro veneciano, Vinícius Fávero Taquini, de 18 anos. O contrato inicial é de formação e...

Criminosos assaltam comércio vestidos de policiais no ES

Três suspeitos de participação no crime foram detidos....

Pescador sobrevive três dias em caixa térmica após naufrágio

Um pescador ficou três dias a deriva dentro...