Ala Indígena é inaugurada em hospital de Manaus para tratamento da Covid-19

Ala Indígena é inaugurada em hospital de Manaus para tratamento da Covid-19

A ala indígena conta com 53 leitos, sendo 20 de alta complexidade (Unidade de Tratamento Intensivo e Cuidados Intermediários)
– Foto:
Ministério da Saúde

Pacientes indígenas com Covid-19 contam com uma ala de atendimento exclusiva no Hospital Nilton Lins, em Manaus (AM). O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, e o Secretário Especial de Saúde Indígena do Ministério da Saúde, Robson Santos da Silva, participaram da inauguração nesta terça-feira (26).

“O objetivo desse hospital é aprimorar ainda mais o atendimento que as populações indígenas vêm recebendo do Governo Federal em parceria com estados e municípios. Espera-se assim melhorar ainda mais assistência à essa importante parcela da nossa população que é objeto de preocupação e de assistência especial por parte do Governo Federal”, disse Santos.

De acordo com o Ministério da Saúde, é a primeira ala voltada para o atendimento de pacientes indígenas com coronavírus no Estado do Amazonas. A articulação para a abertura dos foi feita em parceria com o governo do estado.

O Hospital Nilton Lins foi inaugurado em 18 de abril com 95 leitos para tratamentos de pacientes com Covid-19. A ala indígena conta com 53 leitos, sendo 20 de alta complexidade (Unidade de Tratamento Intensivo e Cuidados Intermediários) e 33 clínicos, com possibilidade de expansão.

O espaço foi pensado para receber o povo indígena e conta com local para colocar redes e áreas de espiritualização. “Os espaços foram caracterizados com esse carinho, o que demonstra a importância desse povo”, disse Robson Santos, Secretário Especial de Saúde Indígena do Ministério da Saúde.  

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE),  o Amazonas é o estado brasileiro que possui a maior quantidade de indígenas. São 183.514. Desses, 70% vivem em aldeias.

Nesta segunda-feira, também em Manaus, o secretário Especial de Saúde Indígena se reuniu com gestores locais e representantes indígenas para discutir o fortalecimento das ações de combate ao coronavírus no atendimento aos povos indígenas no estado. Segundo ele, o Governo Federal está à disposição para auxiliar no envio de mais insumos e capacitação de novos profissionais para atendimento à essa população. “Espera se, assim, melhorar ainda mais a assistência a essa importante parcela da nossa população”, acrescentou o secretário.

E afirmou que novos leitos hospitalares para atender pacientes com Covid-19 serão reabertos no país à medida que forem surgindo demandas: “As coisas vão caminhando de acordo com a necessidade”, disse. “As ações estão sendo feitas de acordo com os planos de contingência dos estados. O governo federal já passou para estados e municípios de todo o país R$ 25 bilhões e toneladas de equipamentos de proteção individual”.

Amazonas

Desde o início da pandemia, o Ministério da Saúde já investiu R$ 213 milhões para o enfrentamento da doença no estado do Amazonas. Desse total, R$ 78 milhões foi destinado ao Fundo Estadual de Saúde; R$ 2,6 milhões para o Hospital Getúlio Vargas e R$ 132,4 milhões aos municípios. 

Recentemente, para reforço no combate à Covid-19, o Ministério da Saúde também enviou duas toneladas de equipamentos de proteção individual, respiradores e medicamentos para os Hospitais de Guarnição dos municípios de Tabatinga e de São Gabriel da Cachoeira. Onze profissionais de saúde também foram deslocados temporariamente do Hospital Militar de Área de Brasília para reforçar o atendimento à população na região.

“É um trabalho integrado: Governo Federal, estados e municípios. O Governo Federal está atuando aqui com 387 profissionais contratados especialmente para trabalhar neste momento de pandemia. Há previsão de mais, há cadastros de mais. Esse é um passo importante”, acrescentou o secretário Especial de Saúde Indígena, Robson Santos da Silva.

Leia mais

Leia também